19 Anos

online dedicados aos amantes do bonsai no Brasil e no Mundo.
O tempo não faz de você um bonsaísta, é o seu interior que é ou não.
Bonsai

Árvore centenária repousa no tokonoma
Enquanto repouso em ti.
Vou deixando-me ficar
Aprendendo a secular Arte. 
              
Mário A. G. Leal
Blog Pensando Mario A G Leal
     
Você esta aqui: Home > Bonsai "O Evento" > Bonsai 2006
BONSAI_2006
Fotos Bergson

  • BONSAI 2006
  • DEMONSTRADORES E CONVIDADOS
  • PLACAR DA GRATIDÃO
  • EXPOSIÇÃO
  • FLAGRANTES 1
  • FLAGRANTES 2
  • DEMONSTRAÇÕES
  • ALMOÇO
  • YAMADORI DE PRIMAVERA
  • KOBUDO
  • A CERÂMICA
  • MÚSICA - GRUPO SEGUNDA FEIRA
  • ENCERRAMENTO
  • QUEM ESTEVE PRESENTE




Inclusão do Evento

BONSAI 2006

no Calendário de Eventos do Sesquicentenário de Ribeirão Preto
Secretaria Municipal da Cultura

DESTAQUE
Manoela Alves, do Rio de Janeiro, foi a ganhadora do Concurso realizado no Fórum para confecção do cartaz.

APOIO



DEMONSTRADORES INTERNACIONAIS

CHARLES CERONIO - ÁFRICA DO SUL
MARITA GURRUCHAGA - ARGENTINA

DEMONSTRADORES NACIONAIS

Osamu Hidaka - Atibaia-SP
Regina Suzuki - Atibaia-SP
Renato Z. Bocabello - São Paulo-SP
Charles R Ferrante Jr - Barretos-SP
David Yamamoto - Brasília-DF
Apresentando
Valdir Hobus - Cunha Porã-SC

ARIGATÔ

Como é que se pode esquecer os amigos que me ajudaram? Todos os amigos do Fórum foram, sem dúvida, os grandes incentivadores para a realização deste Evento BONSAI 2006.
Obrigado!

Ao P.T. (Paulo Tarcisio), meu irmão, pelo despreendimento, pela ajuda sem a qual ficaria bastante atrapalhado.

P.T., foi receber Charles Ceronio em Guarulhos, ficou aqui em Ribeirão Preto me ajudando, por 10 dias, e foi deixar nosso amigo no dia 02 de Junho no mesmo aeroporto. Obrigado a Marilze, minha cunhada, que entendeu o meu aperto naquele momento. Meu carinho a vocês!

Aos alunos e amigos, que me ajudaram a preparar meu viveiro:

Anderson Vinturini - Um obrigado especial a você meu amigo
Thierri
Leandro Salata

Aos amigos que doaram brindes:

Sami
Sergio Onodera
Bergson
Araldi
João Carlos dos Santos
Casadois Editora
Secretaria da Cultura de Ribeirão Preto
Luiz Fernando Martins
Associação Norte Catarinense de Bonsai
Rejane
Fábio Antakly Noronha

Aos amigos que trouxeram presentes:

Bergson
Rejane
Rogério
Sergivaldo
Luiz Fernando Martins
Noboru-san
Regina Batistela
Hidaka-san
Sami
Vicente Romagnole
Fábio Antakly Noronha

Aos amigos que prestigiaram trazendo materiais diversos para os participantes:

Vicente Romagnole
Sami
Sergio Onodera
João Carlos dos Santos
David Yamamoto

Aos amigos que trouxeram plantas para exposição:

Renato Bocabello
Regina Suzuki
Hidaka-san

Aos amigos que trouxeram plantas para trabalhar:

Charlinho
Cláudio José Eusébio
Renato Bocabello
Valdir Hobus

Aos amigos, filho e irmãos que vieram abrilhantar nosso Evento:

Grupo Segunda-feira
Vidal - meu irmão
Beto - meu filho
Ricardo Gonçalves - meu irmão por opção

Instituto Niten Ribeirão Preto
Ao Camillo Del Cistia Andrade, coordenador e todos os participantes.

Ao Joaquim Victor - São Paulo-SP - como tradutor da palestra do Charles Ceronio

Aos amigos da Pousada Alegria Alegria:
Pedrinho e Teca, que tão bem receberam meus amigos.

Obrigado ao meu "pessoalzinho:
Andréa - Bianco, Michele e Davi
Francine - Beto e Frederico
Zoraide

Aos participantes e visitantes

Aos amigos que a minha memória teima em não lembrar.

DEUS LHES PAGUE!


Com fotos de Elio Nowacki e Leandro Spagiari

 

Fotos de Elio Nowachi, Rogério de Assis Pereira, Leandro Spagiari e Arno Reis

Neste momento, 07:40hs, comecei a entregar os crachás para nossos amigos.
Na foto ao lado, Dircenéa, de Ubatuba-SP, eu, Cristiano, de Florianópolis-SC, Beto, meu filho e Elio Nowacki, de Curitiba-PR
Charles Ceronio, Elio Nowacki, Curitiba-PR, Vicente Romagnole, e Reanto Bocabello
A Rede Band deu cobertura ao Evento A Rede Band entrevistando Charles Ceronio
   
Vicente Romagnole, estruturando uma das árvores que trouxe. Valdir Hobus, trabalhando o buxinho do Cláudio José Eusébio, de Holambra
  Resultado do trabalho. Fico feliz por ter convidado este amigo para sua primeira demonstração
Enquanto ensina, sorri!
Valdir Hobus e o casal Andréa e Renato Bocabello
Charles Ceronio, Arno, de Chapecó-SC e eu Arno e Mestre Hidaka
Leandro Spagiari, de Guaíba-RS, escondido atrás da própria mão; Luiz Fernando, Brasília-DF, o responsável pela retirada da primavera e Sergivaldo, de João Pessoa-PB. 
- Sai da frente Luiz
Foto tirada do Illex, de Uberaba-MG, quando os amigos tentaram jogá-lo na piscina à noite.
 
Da esquerda para direita. No alto:
Ari, de São José do Rio Preto-SP; Noboru Mizukawa, de Presidente Prudente; Arno, de Chapecó-SC;Duílio, de Brasília-DF; Luiz Fernando, Brasília-DF; João Porto, de São José do Rio Preto; Sergivaldo, de João Pessoa-PB, Humberto, de Goiânia-GO e, à frente com a cuia na mão, João Carlos, de Cascavel-PR
 

Evento de bonsai com direito a creche. Josemara, esposa do nosso amigo Cristiano, de Florianópolis-SC, e sua filhinha Beatris a frente e, sentados atrás, meus dois netos: Frederico e Davi.
Coisa boa!

Atrás do quadro, Cristiano, de Florianópolis-SC e a seguir Sergivaldo, de João Pessoa-PB Thierri, Leandro Salata e Anderson Vinturini de Ribeirão Preto-SP, de costas Illex
Renato Bocabello, Fernando Horta, de Brasília-DF; David Yamamoto,; escondido atrás Anderson Vinturini, de Ribeirão Preto-SP e de azul ,ao lado, o Illex, de Uberaba-MG Minha filha Andréa e o Davi
Francine, minha norinha
Andréa e Davi junto com Josemara, de Florianópolis-SC, e sua filhinha Beatris
Beto, meu filho e P.T., meu irmão Renato Bocabello, de São Paulo-SP; Valdir Hobus, de Cunha Porã-SC e Charles Ceronio
Aqui o buxus que seria trabalhado pelo Valdir Obrigado a Zoraide, por ter vindo me ajudar a receber o Charles Ceronio e ainda cuidar dos netos
P.T, eu e Rejane, de Recife-PE
Charles autografando um dos seus livros para o Leandro Spagiari, de Porto Alegre-RS

Fotos de Sergivaldo, Elio Nowacki e Rogério de Assis Pereira

Charles, falando sobre o seu estilo Baobá Charles Ceronio durante demonstração
Hidaka, ensinando as técnicas do pinheiro-negro aos nossos amigos. O Renato Bocabello comenta sobre o crescente interesse pelas plantas nativas brasileiras no cultivo do bonsai e apresenta um exemplar da sua coleção: IPÊ, por sinal com o início de floração
Regina Suzuki
Regina observada atentamente por todos
  Charlinho trabalhando o "juniperus horizontalis" e sendo observado pelo Leandro Spagiari, de Porto Alegre-RS
David Yamamot, durante sua demonstração Valdir Hobus, observando humildemente os desenhos que acabara de fazer e que seriam aplicados em um Junípero Jacaré, estilo Kengai.


YAMADORIZARAM A MINHA PRIMAVERA

Pronta para ser retirada
Humberto de Goiânia, fazendo o contra-peso e Luiz Fernando, de Brasília, operando a retirada
Luis Fernando, aparando o desnecessário sendo observado atentamente por Sergivaldo, de João Pessoa-PB e por Thierri, de Ribeirão Preto. Ao fundo Cláudio José Eusébio, de Holambra-SP Leandro Salata, de Ribeirão Preto e Luiz Fernando, preparando a caixa
Olha o dedo!
Luiz Fernando completando de terra o caixote
 
  Valdir Hobus, de Cunhã Porã-SC e Leandro Spagiari, apreciando a primeira rega.

COMO COMEÇOU ESTA HISTÓRIA
.
Havia colocado no Fórum, conforme data e Tópico abaixo:

Enviada: Ter Abr 26, 2005 9:52 am    Assunto: Árvore para o futuro - "Primavera"  

Esta primavera eu plantei há, aproximadamente, 25 anos. Meu projeto para ela é diminuir para 1,60 mt (Acredito que possa trazer a altura para 1,30mt) e colocar em um grande vaso de cimento para ser a árvore que irá receber os meu amigos. O desenho será próximo do que está sendo mostrado. Farei uma copa maior e, na base, uma outra copa pequena. 
É um projeto! 

Tempos depois, complementei:

Editei a imagem hoje, 15.03.2006, para uma possibilidade futura



HTTP://WWW.NITEN.ORG.BR

De acordo com a programação, no Sábado às 16:30hs, tivemos a apresentação do Grupo Niten, de Ribeirão Preto-SP, fazendo uma agradável e surpreendente apresentação de KOBUDO.


Os lutadores se preparando para iniciar as demonstrações Os participantes fazem um reverência ao público presente no BONSAI 2006
Charles Ceronio, atento gravando imagens do Evento. Todos os amigos assistiram as lutas
Demonstração Demonstração
Demonstração Demonstração
 
Do meu lado direito o Coordenador do Instituto Niten, Camillo Del Cistia Andrade.
Após a demonstração, os samurais me permitiram um grito de "guerra" em conjunto. OBRIGADO!
 

Ao participar de qualquer Evento os alunos, vez por outra, tem o hábito de escrever sobre o que viveram naqueles momentos. Recebi o Relato do Rodrigo Araújo Bassi, que participou das demonstrações.
Obrigado Rodrigo! 
VEJA ABAIXO

Conhecendo o belo mundo dos Bonsais 

Dia 27/05 o Niten de Ribeirão Preto foi convidado pelo dono do “Atelier do Bonsai” (Local onde se cuida e dá curso sobre Bonsai), Sr. Mário A G Leal, a fazer uma demonstração de Kobudo as pessoas a quem ele dava um curso sobre Bonsai. 
Foi uma apresentação onde foram demonstradas Jojutsu, Iaijutsu e Kenjutsu e suas respectivas armas e estilos. Tudo ocorreu bem, e todos gostaram muito do que presenciaram, e por isso foi cedido pelo mesmo, duas vagas ao curso de Bonsai, pra que quem fosse e  não conhecesse tivesse pelo menos uma noção de Bonsai e suas curiosidades e, para quem já soubesse, se aprimorasse. O convite foi para o dia seguinte. 
Eu e a Íris (aluna também de Ribeirão Preto) acabamos indo, infelizmente muitos da unidade tinham assuntos inadiáveis. Lá presenciamos o agradável e surpreendente mundo do Bonsai. Como sou leigo no assunto, e lá já haviam muitas pessoas que cultivam hà tempos, pra mim foi apenas uma inicialização a essa cultura tão bela e significativamente tradicional do Japão, que já se expande pelo mundo todo. Por ter me interessado tanto vou me informar mais e possivelmente me tornar mais um adepto dessa gratificante arte. 
Ao fim do curso, após todas as pessoas do curso terem ido embora, eu e Íris nos oferecemos a arrumar o local do curso. Ajudamos a arrumar e organizar o máximo possível, pois além de proporcionar essa oportunidade para que a Unidade Ribeirão Preto se apresentasse no Evento ainda recebemos o convite para participar gratuitamente para alguns integrantes da unidade. É uma pessoa admirável e paciente e uma das coisas que é muito importante e que mais aprecio é a Gratidão, que nunca deve ser esquecida, pois o real significado da palavra “Samurai” é “servir” e eu tomei essa filosofia pra seguir em minha vida, mas não se pode levar por palavras, pois apenas quando der meu ultimo suspiro antes da morrer, que saberei se realmente fui samurai (se eu servi) ou se pelo menos cheguei um pouco próximo desse propósito. 

Domo Arigatou Gozamashitá Sensei 


SAIBA UM POUCO MAIS...

Por volta do ano 1000 da era cristã, há a formação de uma elite guerreira no Japão medieval composta pelos SAMURAIS
Sua missão: SERVIR
Sua alma: a espada que trazia á cintura 
Sua fé: o BUSHIDO (código de honra que orientava a vida destes guerreiros, do nascimento até a morte) 

LEALDADE, BENEVOLÊNCIA, RESPEITO, JUSTIÇA, HONRA, SINCERIDADE e CORAGEM, eis os sete princípios norteadores da conduta SAMURAI.

São estes os valores que hoje, a todo custo, nossa sociedade busca resgatar e transmitir aos mais jovens nas mais variadas instituições, de maneira que estes possam lutar em pról de uma sociedade mais justa e humana. 
Em virtude da modernização do Japão em 1868, a CLASSE SAMURAI, após servir ao país por mais de 700 anos, é obrigada a depor suas espadas. Muitos resistiram, e clandestinamente, continuaram a transmitir os segredos da Cultura Samurai. 
Aqui no Brasil, o BUSHIDO e a CULTURA SAMURAI são transmitidos pelo INSTITUTO CULTURAL NITEN, fundado há doze anos pelo SENSEI JORGE KISHIKAWA, considerado um verdadeiro samurai moderno. 

IAIJUTSU

O iaijutsu consiste em desembainhar a espada com rapidez. Originalmente, era uma prática essencial da qual podia depender a vida de um samurai. 
Simboliza a essência da perfeição nas artes marciais, pela sua simplicidade, precisão e poder. 
A prática do iaijutsu traz auto-controle, postura e serenidade, para corpo e espírito. 

JOJUTSU

A história nos fala de MUSO GONNOSUKE, um grande samurai que adestrado e embasado pelo deuses do TENSHIN KATORI SHINTO RYU, iniciou seus estudos com um único objetivo: vencer o não menos adestrado e famoso MIYAMOTO MUSASHI. Após noites e dias em claro, dúvidas e fracassos, GONNOSUKE tem a sua perseverança e retidão de caráter reconhecida pelos deuses. Através de um sonho, encontra a resposta para seu grande enigma: “Como vencer MUSASHI?” 
Nasce então o JO, um bastão de comprimento e espessura precisos: ideal para vencer MUSASHI. 
Muso venceu MIYAMOTO MUSASHI e ambos se tornaram GRANDES AMIGOS, pois aqueles que lutam e vencem de maneira honrada e sincera nunca semeam inimizades. 

KENJUTSU

O kenjutsu é a arte de empunhar a espada samurai. Antigamente, no Japão feudal, existiam mais de 200 estilos diferentes de manejar a espada. Esta arte, tem em MIYAMOTO MUSASHI um de seus maiores mestres. É ele o criador do estilo NITEN ICHI, onde o praticante faz uso de duas espadas simultâneamente. 

O INSTITUTO NITEN é o único representante do estilo de na América Latina. 

Os Treinos ocorrem aos sábados e as quartas-feira, onde são realizadas as aulas de:

IAIJUTSU, das 08:00 às 10:00Hrs 
KENJUTSU, das 10:00 até as 12:00Hrs 
JOJUTSU, das 15:00 ás 17:00. 
Às quartas: 
KENJUTSU, das 20:00 às 22:00Hrs  O nosso endereço é
Academia RT 
Rua Luis Antônio Musa Julião, 21 
Jardim Sumaré
Riobeirão Preto-SP

Altura do Supermercado Gimenes da Avenida Caramurú )

Sami e Onodera de acordo com a programação, fizeram no Sábado, às 17:30hs, a palestra:
A CERÂMICA - vasos para bonsai
Todos estava atentos aos palestrantes

ABAIXO UM RESUMO DAS PALESTRAS DO SAMI E SERGIO ONIODERA

CERÂMICA

Sami Khozan


A idéia de que a função da cerâmica seja decorativa, ou apenas para fazer uma composição com a planta e para isso basta que o vaso seja de boa procedência, é cada vez mais, um conceito incompleto e erroneo. Na minha concepção, o vaso, junto com o substrato, tem a função primordial de manter a planta viva, em desenvolvimento e tornar confortável sua estadia. E é ai que entra a 
questão da qualidade dos vasos.

Questões como: 

  • Quando usar um vaso esmaltado ou sem esmalte.
  • Quando podemos quebrar as regras da proporcionalidade em função do bem estar das plantas.
  • Quais as temperaturas adequadas para as raízes das plantas, como conseguí-las? e,
  • Que tipo de vaso pode proporcionar tal situação.
       Por outro lado, existe a questão dos ceramistas nacionais, que:
  • Encontram dificuldades para encontrar matéria prima adequada,
  • Sem falar na falta de máquinas e equipamentos adequados para produção de vasos retangulares, quadrados e ovais. 
  • Existe também a expectativa de que se produzam vasos para plantas maiores, em que haveria a necessidade de uma remodelação da planta dos ateliês.
  • E finalmente cada ceramista desenvolve o processo de produção próprio, aliado com o known how desta experiência de anos de trabalho ( composição da matéria prima/textura/plasticidade/tempo e temperatura de queima aliadado ao ciclo do processo/ materiais novos /etc..)
Este dialogo, entre ceramistas e bonsaistas, precisa ser uma prática constante, tanto em eventos como em foruns, para não cairmos em subterfugios que não tem nada com a pratica de bonsai.

Artista plástico e Ceramista
 Sergio Onodera


A Cerâmica - A combinação dos quatro elementos – terra, água, ar e fogo
O vaso como elemento essencial

Você já pensou em dar o primeiro passo para analisar a qualidade e estilo da cerâmica que influenciam, sem dúvida, o equilíbrio e a harmonia de seu bonsai? 

Minha dica é muito simples, comece por Tokoname, em Aichi-ken, no Japão. É um pouco longe mas, navegue pela internet, por este mundo globalizado e conheça a cidade que possui o mais antigo e maior forno para a queima da cerâmica do Japão.

Tokoname é uma cidade famosa pelas suas cerâmicas. Ela faz parte do chamado Rokkoyo, os seis distritos mais antigos que produzem cerâmica. As outras são: Shigaraki(Shiga-ken), Tanba (Hyogo-ken), Echizen (Fukui-ken), Bizen (Okayama-ken) e Seto (também em Aichi-ken). 

Para visitar a região onde as cerâmicas são produzidas e comercializadas, basta seguir o chamado "Yakimono Sanpomichi" (a trilha da cerâmica). Ao longo do caminho é possível apreciar as tubulações cerâmicas para saneamento e esgoto que pavimentam as ruas, e potes enormes que são utilizados na produção de shoyu. Chaminés antigas feitas de tijolos de barro enfeitam a cidade e, é claro, falando de bonsai, você encontrará em Tokoname a maior concentração de ceramistas especializados na arte de criar e produzir vasos para este fim. Os artesãos descobriram um nicho de mercado muito interessante para canalizar sua arte e aproveitaram para criar uma marca forte, não apenas de um único ceramista, mas a união de todos os ceramistas da região – A cerâmica Tokoname. O sonho de consumo de qualquer bonsaista ao redor do mundo. 

Já no Brasil, a arte de vasos para bonsai não está difundida e são poucos os ceramistas que migram para o desenvolvimento desta arte.  Por outro lado, os próprios bonsaistas começaram a se interessar mais pelos vasos gerando uma nova demanda e terminaram por descobrir que o mesmo é tão importante para seu projeto quanto a própria árvore.

Mas como entender a cerâmica? 
Como saber escolher o vaso certo para cada árvore? 

ARGILAS, QUEIMAS E ESMALTES

O tipos de argilas, queimas e esmaltes diferenciam o produto final: O Vaso.

- Argilas em tons de creme ou marfim são mais claras e, com a esmaltação, se obtém vasos em tons de azul, verde e marrom. Ideais para árvores frutíferas ou com flores. 

- Argilas terracota com porcentagens de óxido de ferro (em torno de 2%) são usadas para vasos em tons de marrom fosco. Estes vasos são mais utilizados para árvores coníferas. 

- Vasos mais claros com esmaltes brilhantes são produzidos com queimas em fornos elétricos e temperaturas que variam de 1220 a 1300ºC.

- Vasos sem esmaltes e mais escuros e foscos são queimados em fornos a gás ou a lenha em temperaturas que variam de 1220 a 1300ºC.

Para que você possa conhecer melhor o trabalho de um ceramista, dividi o processo de queima em alta temperatura (1220 a 1300ºC) em dez fases:

1. A argila é modelada no torno, em placas ou em blocos.
2. Depois de descansar por meio período, cerca de 5 horas, a argila é novamente trabalhada para dar início ao acabamento. 
3. Após esta etapa, a peça novamente deve descansar, pelo menos por um dia, coberta por plásticos.
4. Este descanso é importante e serve para que a umidade da argila fique por igual.
5. A peça agora está em “ponto de couro”. Inicia-se a secagem final antes da 1a. queima. 
6. A umidade do ar deve ser analisada freqüentemente. Este fator influencia de maneira direta a secagem da peça que pode levar de 2 a 4 dias para a secagem completa. 
7. Após a secagem, a peça está em “ponto de osso”. Será encaminhada para a 1a. queima ou, como também é conhecida, queima do biscoito. 
8. A variação de temperatura, durante a 1a. queima, é de 600 a 1000ºC.
9. Após este primeiro processo de queima temos o “biscoito” que já pode ser esmaltado para se obter um acabamento externo vitrificado e colorido ou, para peças foscas e sem esmalte, seguir direto para a 2a. queima (1220 a 1330ºC).
10. O resultado final de um vaso só pode ser contemplado após a abertura do forno na 2a. queima. Para se chegar a uma temperatura de 1300ºC o forno chega a ficar queimando por aproximadamente 10 horas. Seguido de um resfriamento do material por pelo menos 12 horas. 

DESAFIOS

Depois de diversas experiências e produções, meu trabalho se destaca pelas peças com até 45 centímetros de largura. Minha escolha se deve principalmente pela limitação imposta pelos fornos onde faço as minhas queimas. Mas, para nós ceramistas, as limitações representam desafios e a descoberta de novos materiais. Por isso, tenho trabalhado na pesquisa de novas argilas para produção de peças maiores. 

Aumentar o tamanho de um vaso parece ser muito simples, mas, pelo contrário, representa o desenvolvimento de novas técnicas que mantenham a estabilidade do fundo da peça que, durante o processo de produção, sofre ondulações quando submetida a queimas de alta temperatura. 

A produção de um vaso é uma mistura de aprendizados – física, química, artes plásticas e outras técnicas. É uma pesquisa incansável na busca do equilíbrio e da perfeição. Não é um trabalho de apenas um ceramista. É um esforço conjunto dos ceramistas envolvidos com a produção da arte que completa o bonsai.

Hoje, no Brasil, devemos replicar as técnicas, o engajamento, o compromisso e a união dos ceramistas de Tokoname. Devemos incentivar a produção artesanal de novos artistas e bonsaistas. Valorizar o “vaso” como parte integrante da composição e estética do bonsai é fortalecer nossa arte e agregar valor ao nosso desenvolvimento. 


Beto, meu filho, ao violão e Ricardo Gonçalves, nosso percussionista Vidal, meu irmão, ao violão e eu com a guitarra
SEGUNDA-FEIRA, nosso grupo.
O nome do Grupo vem em função de que nos ensaiamos todas as segundas-feiras.
Foram momentos de descontração, nosso amigo Léo, de Salvador-BA, mostrou que sabe cantar.
Nobuo, do Rio de Janeira-RJ, deu uma canja com minha guitarra.  
  Charles Ceronio, antes de sair cantou duas canções folclóricas do seu País.
Todos aplaudiram!

Você não veio ao BONSAI 2006?
Quer ouvir um choro, um samba ou um tema de jazz?
Aguarde um pouco pois são arquivos com 2 ou 3 MB.
SAMBA - JAZZ

ATENÇÃO
Aguarde a abertura do arquivo completamente pois, quando você ouve enquanto o mesmo abre parecerá que existem defeitos. É apenas o tempo de abertura que não coincide com o tempo de execução.
Salve no seu computador e...
BOM PROVEITO!



Você e Eu - Carlos Lira e Vinicius de Moraes
Atirei um Pau no Gato - Domínio Público - Arranjo de Mário A G Leal Junior

CHARLES CERONIO - AFRICA DO SUL OSAMU HIDAKA - ATIBAIA-SP
REGINA SUZUKI - ATIBAIA-SP RENATO Z. BOCABELLO - SÃO PAULO-SP
CHARLES FERRANTE JR - BARRETOS-SP VALDIR HOBUS - CUNHA PORÃ-SC


01 - Agnaldo - Mandaguari-PR
02 - Anderson Vinturini - Ribeirão Preto-SP
03 - Andréa - São Paulo
04 - Ari Francisco - São José do Rio Preto-SP
05 - Iris Sawasaki S. Leme - Ribeirão Preto-SP
06 - Arno Reis - Chapecó-SC
07 - Cláudio José Eusébio - Holambra-SP
08 - Charles Ceronio - África do Sul
09 - Charles Ferrante "Charlinho" - Barretos-SP
10 - Cristiano - Florianópilis-SC
11 - Daniel - Santa Rosa do Viterbo-SP
12 - David Yamamoto - Brasília-DF
13 - Dircenéa - Ubatuba-SP
14 - Duílio - Gama-DF
15 - Durval C Gasparetti - São Paulo-SP
16 - Elio Nowacki - Curitiba-PR
17 - Ewerton - Franca-SP
ESTADOS PRESENTES
RIO GRANDE DO SUL
SANTA CATARINA
PARANÁ
SÃO PAULO
RIO DE JANEIRO
MINAS GERAIS
BAHIA
PERNAMBUCO
PARAÍBA
DISTRITO FEDERAL
GOIÁS
18 - Fábio Almeida - Ribeirão Preto-SP
19 - Fábio Antakly - São João da Boa Vista-SP
20 - Fernanda - Ribeirão Preto-SP
21 - Fernando Horta - Brasília-DF
22 - Rodrigo Araújo Bassi - Ribeirão Preto-SP
23 - Humberto - Goiânia-GO
24 - Illex - Uberaba-MG
25 - João Cândido - São José do Rio Preto-SP
26 - João Carlos - Cascavel-PR
27 - Joaquim Victor - São Paulo-SP
28 - Jorge Leocádio "Léo" - Salvador-BA
29 - Josemara - Florianópolis-SC
30 - Leandro Salata - Ribeirão Preto-SP
31 - Leandro Spagiari - Guaíba-RS
32 - Luiz Fernando Martins - Brasília-DF
33 - Luiz Fernando Finotti - Pirassununga-SP
34 - Luis Galvão - Igarassu-PE
35 - Necy Galvão - Igarassu-PE
36 - Noboru Mizukawa - Presidente Prudente-SP
37 - Nobuo - Rio de Janeiro-RJ
38 - Olga - Atibaia-SP
39 - Orlando Junior - Cosmópolis-SP
40 - Osamu Hidaka - Atibaia-SP
41 - Rejane Liberal - Recife-PE
42 - Regina Batistela - Cosmópolis-SP
43 - Regina Suzuki - Atibaia-SP
44 - Renato Bocabello - São Paulo-SP
45 - Rodrigo Araújo Bassi
46 - Rogério - Belo Horizonte-MG
47 - Sami - Niterói-RJ
48 - Sérgio Onodera - São Paulo-SP
49 - Sergivaldo - João Pessoa-PB
50 - Thierri - Ribeirão Preto-SP
51 - Valdir Hobus - Cunha Porã-SC
52 - Vicente Romagnole - Mandaguarí-PR 












Informativo sobre os bonsaístas
reconhecidos no Brasil

Copright 2011 - Atelier do Bonsai - Mário A G Leal
Powered By