19 Anos

online dedicados aos amantes do bonsai no Brasil e no Mundo.
O tempo não faz de você um bonsaísta, é o seu interior que é ou não.
Bonsai

Árvore centenária repousa no tokonoma
Enquanto repouso em ti.
Vou deixando-me ficar
Aprendendo a secular Arte. 
              
Mário A. G. Leal
Blog Pensando Mario A G Leal
     
Você esta aqui: Home > Como Fazer > Diversos
Como Fazer

Informe-nos o que você usa, onde comprar, preço ou, como fazer. Passe alguma dica importante, mencione onde aprendeu. Anotarei a informação com seu enderêço para quem tiver alguma dúvida. Mande um E-mail , escreva, telefone

  • Adubo
  • Adubo Orgânico
  • Urina de vaca
  • Calda Bordalesa
  • Calda Sulfocáustica
  • Cicatrizantes
  • Coxonilhas
  • Enraizadores
  • Estojo para Goivas
  • Fertilizantes
  • Mesa Giratória
  • Musgo
  • Óleo Mineral
  • Pasta Bordalesa
  • Pulgões - Combate
  • Suibam
  • Suporte de Arames
  • Sublimato Corrosivo
Adubo

Torta de mamona Farinha de osso É preparado com partes iguais - 1 de torta e 1 de Farinha osso USO - 1 colheres de café para vaso pequeno ( 6x9 cm ) 2 colheres de café para vaso grande ( 20x30 cm ) Calda de estêrco de vaca Necessariamente um estêrco bem curtido. Deixar uma semana fermentando em uma lata ou tambor com água, sendo de 1/3 até metade do recepiente com estêrco Ouví dizer que temos Bonsaístas que usam somente este preparado.

ADUBOS ORGÂNICOS - Teor aproximado de N.P.K.

Qualquer informação adicional será bem vinda. Por favor citar a fonte (livro) e autor pois, ficará uma informação mais precisa.

TIPO DE ADUBO N
%
P
%
K
%
Algas Secas 0.45 .46 1.29
Cinza de Madeira 0.00 0.00 15.00
Composto Orgânico 1.20 1.40 .050
Esterco de cavalo 0.54 0.23 0.54
Esterco de gado 0.40 0.20 0.44
Esterco de Ovelha 0.83 0.23 0.67
Esterco de pombo 1.75 1.80 1.00
Esterco de porco 0.45 0.19 0.60
Esterco de galinha 1.63 1.55 0.80
Farinha de osso 2.00 24.00 0.00
Farinha de peixe 5.00 9.00 3.00
Farinha de sangue 12.00 1.00 0.60
Torta de Mamona 4.60 3.00 1.00

Urina de Vaca para Repelente de Insetos ou fertilizante


Por possuir vários nutrientes, a urina é útil como fertilizante e, por causa do cheiro forte, atua como replente de insetos. Como fertilizante a urina precisa ser diluída 1% (1 litro de urina para 100 litrosde água) e fazer pulverizações semanais em hortaliças ou a cada 15 dias em frutíferas. Ou, ainda, no solo, junto ao pé da planta, diluída a 5% (5 litros de urina para 100 litros de água). A urina deve ser recolhida em um balde e guardada por três dias em um vasilhame fechado antes de ser usada. Pode ser guardada um ano em vasilhame fechado.

Urina de vaca distribuída como brinde

Brasília, 16 (Agência Brasil - ABr) - Um dentre os vários brindes distribuídos na exposição Ciência para a Vida, promovida pela Embrapa, despertou a curiosidade dos visitantes, a urina de vaca. Pode parecer estranho presentear as pessoas com um frasco contendo urina animal, mas essa foi a forma encontrada pela Empresa de Pesquisa Agropecuária do Estado do Rio de Janeiro (Pesagro) para divulgar as pesquisas efetuadas na instituição para o aproveitamento da urina de vaca como fungicida e na produção de plantas mais resistentes. Segundo os pesquisadores, a urina é um substituto natural aos agrotóxicos e adubos químicos utilizados na agricultura. Ela é composta por substâncias que, reunidas, melhoram a saúde das plantas, tornando-as mais resistentes às pragas e doenças. A urina é rica em potássio e em priocatecol, um aminoácido que fortalece os vegetais. Em sua composição também são encontrados cloro, enxofre, nitrogênio, sódio, fenóis e ácido indolacético.

Na Estação Experimental de Itaocara, Rio de Janeiro, onde os experimentos estão centralizados sob a coordenação de Ricardo Gadelha, a urina foi utilizada, inicialmente, para combater a fusariose, doença que ataca as plantações de abacaxi e que pode provocar perda de até 40% para os produtores. Com o avanço dos testes, verificou-se que o produto evitava outras doenças provocadas por fungos em culturas diversas. Já foram realizados estudos que revelaram aumento de produção no cultivo de frutas, legumes, hortaliças e também plantas ornamentais.

Para cada cultura, há uma dosagem específica da mistura. Nelcyr Guimarães, um dos pesquisadores da Pesagro envolvidos no trabalho, explica que dosagens de urina maiores que as indicadas podem causar danos às plantas. Em culturas de legumes como quiabo, jiló e berinjela, o litro de urina deve ser diluído em 100 litros de água e pulverizado sobre a plantação uma vez a cada quinze dias. Para as frutas o procedimento é diferente. No abacaxi, por exemplo, pulveriza-se a mistura com a mesma dosagem uma vez por mês, durante os primeiros quatro meses. Depois, aumenta-se a quantidade de urina para 2,5 litros para cada 100 litros de água, continuando a aplicação mensal. O procedimento deve ser suspenso dois meses antes da indução da floração, retornando a partir do vermelhamento do fruto.

A idéia de se aproveitar a urina de vaca surgiu a partir de reivindicações de pequenos produtores rurais fluminenses, para que a Pesagro desenvolvesse ações que aumentassem a produção com redução do uso de agrotóxicos. A urina de vaca resolve as duas questões, inibindo o uso de defensivos químicos e aumentando o número de brotações, de folhas e de frutos. Sendo um produto natural, não causa riscos à saúde do produtor e do consumidor. Outra vantagem apontada por Guimarães é o atraso na maturação dos frutos tratados com a mistura. "Chegando ao mercado na entressafra, esses produtos gerarão mais lucro a seus produtores", diz o pesquisador.

A urina já é usada, com resultados satisfatórios, por produtores rurais do Rio de Janeiro, São Paulo, Bahia e Minas Gerais. Quando fala das pesquisas para os visitantes da exposição, Guimarães costuma brincar dizendo que o mais difícil de tudo é fazer a vaca urinar dentro do recipiente. Brincadeiras à parte, o procedimento de coleta do material é simples e deve ser feito na hora de tirar o leite. Ele explica que é normal o animal urinar quanto tem as pernas amarradas para a ordenha, sendo esse o momento ideal de coleta. O líquido deve descansar por três dias, estando bom para manipulação após esse período. A validade do produto é de dois anos. (Hebert França)

© Todas as matérias poderão ser reproduzidas desde que citada a fonte

Fonte: Pesagro - RJ Enviada por nosso amigo Mariotti em 25.10.2004- ttimario@ig.com.br

CALDA BORDALESA - fungicida


A calda bordalesa é preparada com sulfato de cobre que é encontrado em casas especializadas em jardins em sacos com pequenas quantidades. MODO DE PREPARO - 2 grs ou 2 colheres de café por litro de água.

CALDA SULFOCÁUSTICA - P/ preservar madeira em Jins e Sharis


CONTEÚDO 1 litro de água 70 grs de cal 100 grs de enxofre MODO DE PREPARO - Ponha a água com cal para ferver. Quando estiver ebulindo o enxofre será adicionado aos poucos, em fogo baixo. Após alguns minutos o enxofre terá se dissolvido e, parte da cal terá permanecido sem se dissolver e não mais se dissolverá. Esfriar e coar. Está pronto para o uso.

Mastique
- Cicatrizante

Para cortes em raízes, estacas, etc. Protege contra agentes atmosféricos, invasão de insetos ou fungos. Substância adesiva ou aglutinante que os franceses chamam de "mastic". 
200 grs de cera de abelha 
60 grs de breu 
25 grs de sebo de vaca( ou 20 grs de sebo de carneiro) 
MODO DE PREPARO:
Derreter tudo em uma panela, mexer bem para que os ingredientes se misturem. Fazer pequenas formas ou antes que endureçam faça toretes esfregando uma quantidade entre as mão. Você terá mástique para muito tempo. Quando for usar aqueça a ponta de um torete e aplique sobre a parte cortada.


Pasta de Dente - Cicatrizante

É usada também para proteção de cortes em galhos ou raízes. O Sr José Naka mura de Uberlândia diz que não usa nenhum outro produto, desde que ficou sabendo das propriedades fungicidas da pasta de dente.


Pasta Cicatrizante

Caro Mário 

Finalmente terminei meus testes e acho que cheguei numa fórmula bastante satisfatória. Hoje fiz muitos testes com a pasta e fiquei satisfeito. 
Parti da premissa de que tem que ser bom (eficiente), barato e fácil de fazer (os ingredientes tem que ser fácil de se  obter também). 
A fórmula que cheguei é: 

1/3 de argila 
1/3 de  pasta de dente 
1/3 de  graxa de  sapato preta 

A argila tem a função de selante para tamponar a área cortada. Também dá consistência e cor a  ajuda a secar rápido. A pasta de dente tem  função de ser bactericida devido ao cloro, precisa ser  uma pasta com fluor (acho que hoje todas são). A graxa de sapato é impermeabilizante e dá consitência moldável e cor. 

Observações: 

A argila pode ser barro de brejo, úmida, de  várias cores ou o barro vermelho de barranco que também é argila. Ë importante não conter areia ou  silte que  a torne arenosa ou ásapera durante a manipulação. Uma boa argila vermelha de barranco dá uma boa cor marron ao ser  misturada com  a  graxa preta e a pasta de dente branca. 
A pasta de dente deve ser branca pois dá um tom mais opaco mais realista, mais próximo da cor de casca de árvore. Não recomendo cremes tipo gel transparentes e muito coloridos. 
A graxa de sapato preta com o creme dental branco dá a  mistura de cor acinzentada opaca desejada. 
Recomendo preparar na hora os tres ingredientes e pode-se variar as proporções de modo a ficar mais próximo da cor do tronco. Lembrar que ao secar a cor sempre clareia e fica mais neutra. Colocando mais argila que graxa dá-se um  tom mais avermelhado. Colocando-se mais creme dental dá se um tom mais claro, acinzentado, etc... 
Devido a argila e ao creme dental com o tempo a mistura tende a  ressecar. Se for um trabalho longo de poda e aramação e a mistura começar a secar é só adicionar um pouco de água e ela volta a ter a  fluidez necessária. Para cicatrizar ponta de galhos finos podados deve-se diluir bem com água pois facilita a aplicação. 
Para o preparo sugiro um pequeno recipiente raso ou uma placa para se manipular a mistura com  uma pequena espátula, que pode ser  usada para a aplicação. 
Uma bisnaga de creme dental e uma lata de  graxa de sapato custam pouco e dá para preparar muita pasta (a argila é de graça). 
Acho que a relação custo/ benefício desta receita caseira é bastante satisfatória. 

Um abraço 

Thomas Brenner 
Passos-MG 
 thomas@looknet.com.br


Pasta Bordalesa - Fungicida / Cicatrizante

CONTEÚDO 
10 grs de sulfato de cobre 
20 grs de cal 
120 cc de água 
PREPARO- 
Dissolver 10 grs do sulfato de cobre em 60 cc de água e, em recepiente a parte as 20 grs de cal em 60 cc de água, juntando em seguida as duas soluções. 
Atenção- Não usar recepiente metálico na preparação da pasta.


Sulfato de Cobre e Vaselina - Cicatrizante

Semelhante ao produto anterior mas com formulação diferente a pasta cicatrizante informada pelo amigo: 
Mauri A Baptista Dias 
Porto Alegre_RS 
mauribaptista@cpovo.net

Conforme seu texto:" A formula é bem simples e desconheço o seu criador. O fato é que é usada há muito tempo pela minha familia. 
Os componentes são os seguintes: 
- sulfato de cobre; ( disponivel nas lojas de agropecuária ) 
- vaselina líquida ( encontra-se em qualquer farmácia ) 
Coloca-se 50 grs de sulfato de cobre em um vidro de boca larga e adiciona-se a vaselina liquida aos poucos, mexendo sempre até adquirir a consistencia de tinta grossa. Aplica-se com pincel nos ramos ou raizes recem-cortadas. O produto preparado dura indefinidamente, devendo ser mexido para homogenizar antes do uso.


Própolis e Vaselina - Cicatrizante

Pode ser usado como fungicida na proteção de cortes de galhos ou raízes. Misture 30/50 gotas de própolis em uma lata pequena de vaselina. 


COXONILHAS - Combate (Veja também "'OLEO MINERAL")


MATERIAL 100 grs de fumo 1 litro de água 1 barra sabão de côco de 200grs ralada. 1/2 litro de querosene OU 1/2 litro de detergente neutro PREPARO: Deixar o fumo de molho na água por 24 horas, após este período aquecer em fogo (NÃO DEIXAR FERVER). Coar. Usar um coador de pano para reter todos os resíduos. Diluir o sabão na calda em FOGO BAIXO. Tirar do fogo e acrescentar 500 ml. (1/2 litro) de querosene ou pode ser usado também, no lugar do querosene, um detergente neutro. USO DILUIR 1 PARTE DO PREPARADO PARA 10 PARTES DE ÁGUA E ASPERGIR SOBRE AS PLANTAS ATACADAS. Content 6

Enraizadores


Outra dica é usar como enraizante a erva daninha TIRIRICA batida no liquidicador com água, a tiririca possui grande quantidade de ácido indol-acético que estimula a formação das raízes. Após 5 meses de espera, a árvore esta pronta para ser coletada. OBS.: A “caldo de tiririca” deve ser guardado em recepiente escuro, não transparente, pois o ácido indol-acético perde a sua propriedade se for exposto a luz.

Rubens Marcelo 6.39
Rua João Marson, 742 - Piscina
Cajobi-SP
15410-000
(0XX17) 563.1626

Vita Flor - Raiz - produto encontrado em lojas que trabalham com jardinagem MODO DE USAR - 1 ou 2 colheres de café por litro de água. Complexo B1 MODO DE USAR - 1 cc por litro de água

COMO FAZER UM ESTOJO PARA GOIVAS


por:


Michel Otto
Bélgica

Jean-Luc Marelli
Charleroi - Bélgica

Voici un travail associatif. Jean Luc travaille le métal et a fabriqué de superbes gouges. 
Elles sont très pratiques pour soulever les fils de bois mort et les tirer pour un fini très naturel. Comme leur tranchant est à préserver, Toche a conçu un coffret à gouges pour les tenir immobilisées. 
Pour cette réalisation, du sapin blanc et de petits panneaux en triplex ont été utilisés. 
Chaque entretoise est ajustée puis collée de façon à empêcher les gouges de bouger. 
Elles sont maintenues en place par deux petits clous pendant le temps de séchage. 
Les côtés apparents sont également collés. 
Une fois le tout assemblé définitivement, il ne reste plus qu’a ajuster un couvercle de protection. 
De façon à assurer la protection des outils, de la mousse est collée au fond de ce couvercle. 
Une sangle le maintiendra en place. 
Dimensions extérieures : 
Hauteur : 23 cm. 
Largeur : 18 cm. 
Épaisseur : 4,5 cm. 
Poids de la boite vide: 500 Gr. 

Aqui está um exemplo de trabalho associativo: Jean-Luc trabalha com metais e fabricou magníficas goivas (formão para lavrar meias-canas côncavas; estremadura, leito de corrente fundo e estreito) - são muito práticas para levantar e retirar as farpas de madeira morta e dar um acabamento mais natural. Como as lâminas de corte das goivas devem ser preservadas, Toche criou um estojo para torná-las imobilizadas. Cada espaçador deve ser ajustado e colado de forma a impedir que elas se movam. Esses espaçadores são afixados no lugar por dois pequenos pregos durante o tempo de secagem. As laterais também são coladas. Uma vez o estojo montado, falta apenas ajustar uma tampa para proteger os instrumentos. A espuma é colada basicamente nesta tampa. Uma correia a manterá no lugar. 
Para esta realização foram utilizadas madeira de abeto branco (pinheiro alvar; “pinus”) e pequenos painéis de triplex (folhas de madeira finas "tipo compensado"). 

Dimensões externas: 

Altura: 23 cm. 
Largura: 18 cm. 
Espessura: 4,5 cm. 
Peso da caixa vazia: 500g. 


ESTOJO TERMINADO



Veja abaixo, detalhes para a construção deste trabalho


Jean-Luc Marelli
Desenvolveu as goivas e Michel deu polimento

Detalhe da ferramenta
O MATERIAL USADO FOI O AÇO RÁPIDO TIPO 
S 6-5-2
EM BARRA ronde DE 8mm de DIÂMETRO.

Texto autorizado por Michel e traduzido por 
Orlando Figueira de Moraes - São Pedro da Aldeia-RJ

Fertilizantes

Fórmula encontrada na página da Bonsai Rio http://www.bonsai.com.br Fórmula 1 - Árvores Frutíferas 
Base = 1 litro de água 
10% de torta de soja ou de mamona ou de grãos de colza. Prefiro a colza 
15% de farinha de osso 
05% de cinza de madeira ( se a árvore é de PH alcalino ) 
Substitua a cinza por enxôfre em pó, flor de enxôfre, se a árvore é de PH ácido. 
5 grs de pó de folha de tabaco ou, o conteúdo de tabaco de 5 cigarros. 

Fórmula 2 - Demais Árvores 
Base = 1 litro de água 
10% de torta de soja ou de mamona ou de grãos de colza. Prefiro a colza. 
05% de farinha de osso 
05% de cinza de madeira ( se a árvore é de PH alcalino ) 
Substitua a cinza por enxôfre em pó se a árvore for de PH ácido 
5 grs de pó de folha de tabaco ou, o conteúdo de tabaco de 5 cigarros. 
MODO DE PREPARO - 
Deixe fermentar por um mês, recolha o líquido e jogue fora a parte sólida. Ao usar, faça uma solução de 1 parte do preparado para 10 partes de água, ou seja, uma solução de 10%. Regue apenas o solo do Bonsai.


COMO CONSTRUIR UMA MESA GIRATÓRIA

Por Bergson de M Vasconcelos
bergson@ofm.com.br


Vista Superior 

Vista Frontal

Vista Inferior

Disco inferior, com diâmetro de 20 cm e altura igual a 2,5 cm
Barrote de ligação, 6,0 x 6,0 cm com altura de 11cm
Disco superior, com diâmetro de 50 cm e altura de 1,5 cm.

Disco de borracha com o mesmo diâmetro do disco superior. (Cortado de uma placa de piso de 50x50 cm)

Utilizar um rodízio para carro de carga com trava (SCHIOPPA 312), 04 parafusos de cabeça chata com 20 mm com rosca e 02 parafusos para madeira com 45 mm.

Colocar os dois parafusos para madeira no disco inferior sendo fixados no barrote

Fazer o encaixe no barrote para ser instalado o rodízio antes de fixar o disco inferior.

Fixar os 04 parafusos no disco superior para prender o rodízio

Desmontar o rodízio e utilizar o parafuso do eixo para fixar o barrote

Fixar o rodízio no disco superior

Fixar o barrote no rodízio, antes ou depois de aparafusar o disco inferior.
O custo dessa Mesa fica em torno de R$ 65,00
Rodízio
R$
23,00
Placa de borracha
R$
4,50
Parafusos
R$
2,00
Cola sapateiro
R$
5,50
Madeiras
R$
30,00

Qualquer dúvida : bergson@ofm.com.br
Após a montagem da mesa giratória, aplicar a borracha com cola de sapateiro  Preços cotados em Maceió-AL, no mês de Fevereiro/2005

Musgo

1. Recolha um punhado de musgo e retire a maior parte de terra possível. 
2. Coloque algumas lajotas de cerâmica dentro de um local com água e deixe por um dia para que fiquem totalmente úmidas. 
3. Prepare em um local com sombra uma(s) bandeja(s) com um pouco de água onde serão colocadas as lajotas. 
4. Coloque o musgo dentro de um liquidificador e acrescente meia colher de sobremesa de açucar. 
5. Acrescente um pouco de água e bata. Se ainda estiver muito pesado, coloque mais um pouco de água até que forme uma pasta verde.
6. Sobre as lajotas coloque uma tela como as de mosquiteiro. A tela deve estar úmida e ficar bem estendida. 
7. Com pincel ou espátula passe a pasta de musgo sobre a lajota. 
8. Mantenha sempre a umidade na(s) bandeja(s) com a(s) lajota(s). 
9- Fertilize com frequência. 

Agora é esperar. Fique atento as lajotas pois elas absorvem bastante água. Com o tempo o musgo irá se desenvolver e poderá ser usado levantando-se a tela e cortando-se a quantidade necessária, não é preciso tirar a tela. Com o tempo ela apodrecerá. 
Esta informação foi retirada do informativo trimestral (Jan/Fev/Março-98) da FELAB - Federação Latino-Americana de Bonsai. 


Óleo Mineral

Usado no combate a coxonilhas MEDIDA - 4 cc por litro de água.

Pasta Bordalesa - Fungicida / Cicatrizante

CONTEÚDO 
10 grs de sulfato de cobre 
20 grs de cal 
120 cc de água 
PREPARO- 
Dissolver 10 grs do sulfato de cobre em 60 cc de água e, em recepiente a parte as 20 grs de cal em 60 cc de água, juntando em seguida as duas soluções. 
Atenção- Não usar recepiente metálico na preparação da pasta.

Pulgões - Combate

MATERIAL 
100 grs de fumo 
1 litro de água 
1 barra sabão de côco de 200grs ralada. 
1/2 litro de querosene OU 1/2 litro de detergente neutro 

PREPARO: 

Deixar o fumo de molho na água por 24 horas, após este período aquecer em fogo (NÃO DEIXAR FERVER).
Coar. Usar um coador de pano para reter todos os resíduos. 
Diluir o sabão na calda em FOGO BAIXO. 
Tirar do fogo e acrescentar 500 ml. (1/2 litro) de querosene ou pode ser usado também, no lugar do querosene, um detergente neutro. 

USO 

DILUIR 1 PARTE DO PREPARADO PARA 10 PARTES DE ÁGUA E ASPERGIR SOBRE AS PLANTAS ATACADAS. 


Suibam

Como fazer seu próprio Suibam

por
Wander Rodrigues Oliveira de Mairinque-SP

Espero estar contribuido de alguma forma. 
Para mim foi de importância vital eu mesmo fazer os Suibans nos 
tamanhos que quisesse.


Na loja de materiais plásticos e derivados "Plastireal," na Rua Florêncio de Abreu, 149, tel: 
(11)3227-5355 / 3229-0566 (Paralela a Rua 25 de Março), em São Paulo, há vários materiais que 
podem ser usados para fazer Suiban. Os melhores são Polipropileno e Polietileno.
Eu sugiro o Polipropileno por não ser tão branco quanto o Polietileno. As espessuras são muitas 
dependendo do tamanho pretendido para o Suiban. 
Para Suibans até 60cm, sugiro placas de 10mm (o mesmo para as bordas).
Para Suibans maiores, até 1,20cm, sugiro placas de 12mm (10 mm para as bordas). 
Para Suibans maiores, até 2m, sugiro placas de 15mm (12mm para as bordas). 
As placas podem ser compradas inteiras e cortadas na própria loja, porém somente cortes retos.
Para cortes redondos (ou ovais) sugiro serra de fita encontrada em marcenaria pois os cortes tem
que ser perfeitos.
A placa tem 2m por 1m, que cortada em quatro, dará 4 Suibans de 1m x 40cm, reservando 8 tiras de 2m x 0,25mm de altura para as bordas.
A placa de 2m x 1m de ambos os materiais, com 10mm de espessura, custa em média R$ 200,00 e a de 12mm R$ 240,00.
Se dividirem isso pela quantidade de Suibans que dá pra fazer com uma placa, verão que vale a pena.
Caso não queiram uma placa inteira, tem-se a opção dos retalhos, que custam, em média, R$ 14,00 o quilo.
Há retalhos de todos os tamanhos, só não se esqueçam das tiras para as bordas com a espessura semelhante a da base e com 2,5cm de altura. Compre a maior que encontrar.
No caso de Suibans retos, as emendas ficarão nas extremidades, no caso de Suibans ovais, as emendas, deverão ficar todas do mesmo lado, ficando para traz na hora de fazer a paisagem. Deixe as bordas amarradas por alguns minutos para tomar a forma arredondada. Depois elas serão fixadas com farafusos Philips para madeira, o tamanho dependerá da espessura, não devendo passar de 1,5cm.

Comece pelo meio da tira da borda e vá se aproximando da extremidade. Se for reto, bastam 1 a cada 10 cm, se for oval, ao se aproximar a parte oval, devem ser diminuidos os espaços.
Os furos para os parafusos deverão ser um pouco menor para que o mesmo entre com pressão, e   deverão fazer um pequeno rebaixo para que a cabeça do mesmo fique pra dentro da base, podendo ser coberta com massa plástica branca, que será aplicada também no acabamento nas emendas. 


Fazendo os furos

Fazendo o rebaixo para acomodar a cabeça do parafuso

Observe que rebaixo permite esconder a cabeça do parafuso

Ao final de cada furo e cada rebaixo deverá ser feita a limpeza das rebarbas. Limpe o furo com um objeto mais fino e as rebarbas com estilete ou faca (não cortando, mas raspando). Para acabamento final, utilize uma lixa bem fina.





Para os pés, sugiro 3 faixas paralelas, que sobrarão das bordas, em quase todo o comprimento do Suibam.
Há um modo mais fácil, porém o trabalho terá que ser feito em uma marcenaria e isso poderá  encarecer o produto final. Mande fazer um sulco na tira da borda, com a metade da espessura da base, e um dente em toda beirada da base, de forma que uma encaixe na outra. Com ambas encaixadas, fure de baixo para cima e um pouco inclinado para fora, para não sair da borda, e coloque um prego sem cabeça de 1,5cm com pressão. Nesse caso não precisa de massa plástica (branca) sobre as cabeças, somente nas emendas lixadas. Depois é só lixar a massa e ficará surpreso com o resultado final.

Notem que as emendas não ficam evidentes.
Existem outras lojas e em outras cidades que trabalham com materiais iguais ou semelhantes, talvez na sua cidade haja uma, basta pesquisar e boa sorte.


Palmeirinha ( Chamaedorea Elegans ) de 0,8cm a 0,40cm de altura, 8 meses. Suiban 0,80 x 0,52cm. ( Polipropileno )
Penjing feito para interiores, luz indireta.
Ao contrário dos outros trabalhos, o espaço entre as pedras não foi vedado e sim protegido por tela fina. 
Areia fina misturada a pó de xaxim foi colocado até cobrir os vãos e o substrato comum foi acrescido.  Dessa forma não é preciso molhar por cima, basta encher o espaço com água e minutos depois toda ela é absorvida até o musgo da forração.

Suporte de Arames

COMO FAZER UM SUPORTE PARA ARAMES
por:
Michel Otto Bélgica
http://site.voila.fr/babadubonsai/




SUPORTE PARA ARAME

Sabemos dos problemas dos arames que se enroscam e das pontas que se perdem, sobretudo as dos arames mais finos.Este problema foi o ponto de partida. A idéia era também fazer bobinas removíveis, de maneira a carregar apenas as indispensáveis, no caso de trabalhos externos. Um desafio adicional a ser atingido também seria "ser bonito, leve e japonês". Além disso, com as bobinas de arame, ser leve!.... Simples assim! Parti destes discos vermelhos, em material leve e resistente.























Cada bobina pode ser retirada individualmente

Visto de frente, cada arame passa por um furo na sua medida e pode ser bloqueado nesta posição. Eles não se enroscam mais. Graças à alça, todas as bobinas podem ser também levadas ao mesmo tempo.
Utilizei ao máximo materiais leves. Aqui é a vista traseira.




CONSTRUÇÃO DO SUPORTE E DAS BOBINAS PARA ARAMES.

Algumas orientações para a construção:Construir uma caixa leve e compacta foi a prioridade deste trabalho, visando a facilidade e praticidade de seu transporte em trabalhos externos.Esta caixa é equipada com um suporte para seis bobinas.Para isso, foram utilizados materiais como alumínio, madeira leve para a parte central das bobinas e tubos rosqueados ôcos.

1) Confecção da bobina porta-arame: A parte central é de madeira, com diâmetro de 112mm e espessura de 33mm. Eu utilizei uma madeira leve e sólida, com um furo central de 12,5mm de diâmetro. As laterais são em PVC, com diâmetro de 200mm e espessura de 3mm. O furo central das laterais tem diâmetro de 13,5mm. Uma das laterais será fixada definitivamete na parte central de madeira, com 4 parafusos. A outra lateral será removível, e será fixada por 2 parafusos longos e porcas que se fixam na madeira. Desta maneira evita-se o desgaste da madeira nas substituições dos rolos de arame.

O eixo é um tubo de alumínio de 50 mm de comprimento e 13 mm de diâmetro externo.



Após ter colocado o eixo e fixadas as porcas, pode ser fixada definitivamente a primeira lateral, com 4 parafusos para madeira. Faça um pequeno rebaixo para evitar que as cabeças dos parafusos fiquem salientes.

















Terminada esta operação, voce pode encaixra o rolo de arame na parte central de madeira e fixar a segunda lateral usando os 2 parafusos longos. Não esqueça de fazer o rebaixo para nivelar a cabeça do parafuso com a lateral.

A primeira operação está concluída. Os arames mais utilizados são 9: 1 mm, 1,5 mm, 2 mm, 2,5 mm, 3 mm, 3,5 mm, 4 mm, 4,5 mm et 5 mm. Existem também arames de 6 mm et 7 mm, mas são raramente utilizados. Sendo as bobinas de mesmo tamanho, basta fazê-las na quantidade dos diferentes diâmetros de arame que voce utiliza.


2) Confecção do porta-bobina. Eu utilizei peças de acrílico retangulares de 280mm por 125mm, com 5mm de espessura, às quais dei esta forma.











São necessárias 10 peças para um suporte de 9 bobinas. Os dois grandes furos e os cantos arredondados foram concebidos para aliviar peso. Os três pequenos furos (diâmetro de 8,5mm) forma feitos para a passagem de um eixo rosqueado permitindo unir as 10 peças. Uma vez feitas as 10 peças, eu as uno entre si com um eixo ôco rosqueado de 8mm de diâmetro e 460mm de comprimento. Entre cada peça coloco um tubo de alumínio de 42mm de comprimento e 10mm de diâmetro interno. Este tubo serve de espaçador e mantém as peças de acrílico paralelas entre si.













Após tudo montado eu coloco as hastes de alumínio com 30mm de largura, para poder fixar uma alça. Estas hastes são furadas nas extremidades e fixadas nas extremidades dos tubos rosqueados, usando-se arruelas e porcas. Também é fixado o perfil de madeira com furos para passagem dos arames que, após dobrados ao sairem dos furos, os impedirá de recuarem. Agora resta apenas encaixar alternadamente (para ganhar espaço) as bobinas, nas fendas próprias das peças de acrílico. Dimensões totais: 46cm de largura, 34 cm de profundidade e 32 cm de altura. Peso total: 8,5kg, sendo 4,5kg de arames. Texto autorizado por Michel e traduzido por Charles White


SUBLIMATO CORROSIVO - Também conhecido como: Calomelano ou Cloreto de Mercúrio Oso

Para plantas doentes ou de solos infectados. 
CONTEÚDO 
1 gr de sublimato corrosivo 
1 litro de água 
MODO DE USAR - 
Desinfetar mergulhando a planta ou estaca. Deixar secar em local sombreado e ventilado.












Informativo sobre os bonsaístas
reconhecidos no Brasil

Copright 2011 - Atelier do Bonsai - Mário A G Leal
Powered By