19 Anos

online dedicados aos amantes do bonsai no Brasil e no Mundo.
O tempo não faz de você um bonsaísta, é o seu interior que é ou não.
Bonsai

Árvore centenária repousa no tokonoma
Enquanto repouso em ti.
Vou deixando-me ficar
Aprendendo a secular Arte. 
              
Mário A. G. Leal
Blog Pensando Mario A G Leal
     
Você esta aqui: Home > Terra > A Terra
Terra

FORMAÇÃO DO SOLO

Areia, pedra, argila mais elementos minerais, matéria orgânica , água e ar.

TIPOS DE SOLO

Argiloso, calcário, arenoso e humoso

CARACTERÍSTICAS DE CADA UM
  • ARGILOSO - Como diz o nome, predomina a argila em sua composição, 50% aproximadamente. É uma terra pegajosa. São compactos e tendem a rachar quando secos. Não apresentam uma característica de drenagem boa. A argila vermelha adquire esta cor devido ao ferro em sua composição.
  • CALCÁRIO - Mais ou menos 50% são de cal ou carbonato de cálcio. Retêm melhor a água que o solo arenoso mas, menos que o solo argiloso.
  • ARENOSO - Drenagem excelente, pobre em nutriente. É composto de aproximadamente de 80% de areia.
  • HUMOSO - Predomina a matéria vegetal decomposta e alguma parcela de matéria animal.
CONTROLANDO A COMPOSIÇÃO DO SOLO

Para evitar a compactação do solo adicionamos areia ou composto orgânico.

O pH é a taxa de acidez do solo. Pode-se dizer também que é a concentração de íons de hidrogênio. Pode-se medir o pH por meio de reagentes químicos. Foi convencionada uma escala numérica de 1 a 14 sendo que pH=7 é considerado neutro e neste ponto de medição a absorção de todos os nutrientes é de 100%.

SOLOS ÁCIDOS 

  • O pH é menor que 7. Quanto menor for a marcação, mais ácido.
  • O solo ácido pode ser reconhecido visualmente pela sua cor escura.
  • A falta de cálcio e magnésio torna o solo ácido, isto acontece devido, principalmente, a ação das chuvas que lavam estes elementos.
  • COMO NEUTRALIZAR UM SOLO ÁCIDO - Adicionando-se a ele calcário dolomítico, cal hidratado, nitrato de sódio ou nitrato de potássio. Cerca de 150g de calcário dolomítico por metro quadrado (m2), elevam em 1 ponto o teor de pH do solo.
SOLO ALCALINOS 
  • O pH é maior que 7. Quanto maior a marcação, mais alcalino.
  • O solo alcalino tem uma cor clara.
  • TORNANDO ÁCIDO UM SOLO ALCALINO - Acrescenta-se sulfato de ferro ou de alumínio na proporção de 150 g por metro quadrado (m2) para diminuir a taxa de pH em 1 ponto
PEAGÔMETRO - É o equipamento para medir ao pH de uso mais difundido e bem simples.
. CAL - CARVÃO VEGETAL - VERMICULITA - TURFA - TERRA VEGETAL - PÓ DE XAXIM - ESFAGNO

CAL Fornecedora de cálcio, a cal, é necessária para o desenvolvimento das raízes e ajuda na absorção de alimentos. A cal agrícola tem uma ação mais lenta e duradoura. A cal hidratada ( É a cal agrícola queimada, à qual se acrescentou água.) é mais rápida mas influi negativamente no teor de humus.
É possível usar a cal empregada em construções embora não seja a mais recomendada.
CARVÃO VEGETAL Solos com tendência a acidez são neutralizados com carvão. É excelente quando acrescentado as sementeiras ou nas covas quando do plantio.
VERMICULITA É uma espécie de mica expandida com propriedade de absorção e retenção de água excelentes. É um material estéril e levemente alcalino sem nenhum teor nutricional. Pode ser usada para melhorar a drenagem e reter a umidade.
TURFA Formada pela sedimentação da decomposição de vegetais que crescem em locais alagados e pobres em oxigênio. A turfa é leve, de cor escura e inflamável. Pode ser empregada em misturas de solo.
TERRA VEGETAL É um composto orgânico da decomposição de vegetais em mistura com a terra. Rico em humus e nutrientes mas pobre em fósforo.
PÓ DE XAXIM Ideal para plantas que necessitam solo úmido.
ESFAGNO É um musgo que tem a propriedade de absorver e armazenar água.

pH do solo

João Chaddad Junior 
Rua Dr. Lula, 566
Piracicaba-SP
13403-054

Email: chaddad51@hotmail.com

  .
O termo pH define a acidez ou alcalinidade relativa de uma solução. A escala de pH tem uma amplitude de 0 à 14. O valor 7,0 que esta no meio é definido como neutro, valores abaixo de 7,0 são ácidos e os acima de 7,0 são alcalinos. Os solos variam de pH 3,0 à 9,0.
Um ácido é uma substância que libera íons hidrogênio (H+). Quando saturado de H+ comporta-se como solo ácido fraco. Quanto mais H+ for retido no complexo de argila e matéria orgânica ou vermiculita maior será a acidez do solo. O alumínio também age como elemento acidificante e ativa o H+. Os íons básicos Ca+2 e Mg+2 tornam o solo menos ácidos, ou em excesso mais alcalinos.
 Para a grande maioria das plantas a faixa de pH de 6,0 à 6,5 é a ideal, porque ocorre um ponto de equilíbrio no qual a maioria dos nutrientes permanecem disponíveis às raízes.
 No gráfico abaixo são mostradas curvas correspondentes a cada nutriente, a quantidade de cada um varia a cada nível de pH. Quando a quantidade do nutriente abaixa é porque este se precipitou, isto é, ficou insolúvel e as plantas não poderão absorve-lo.
 
ácido neutro
básico

A figura acima mostra uma régua de pH, na qual o pH = 7 é o ponto neutro, quanto mais nos afastamos do neutro, tanto para o lado ácido quanto para o alcalino, mais prejudicial fica. O pH = 6,5 é o que apresenta maiores quantidades de nutrientes na solução do solo, e portanto o que proporciona maiores crescimentos.

Plantas que preferem solos ácidos Plantas que preferem solos alcalinos
Abies  Acer negundo 
Camellia Buxus 
Enkianthus Cedrus libani 
Erica Chamaecyparis lawsoniana 
Franklinia  Craetagus 
Gaultheria  Cupressus glabra
Gaylussacia Fagus sylvatica 
Grevillea Ilex aquifolium
Hymenospurum flavum Juniperus 
Kalmia Malus 
Leiophyllum buxifolium Morus nigra 
Liriodendron chinense Picea omorika 
Pinus densiflora Pinus nigra 
Picea  Prunus avium 
Pinus pumila  Taxus baccata 
Pseudolarix amabilis Thuja orientalis
Tabouchina Thuja plicata
Tsuga heterophylla  Tilia tomentosa
Fonte: BRICKEL et al., 1994.

A tabela acima mostra a preferencia de algumas árvores e arbustos quanto ao tipo de pH.

1.1. Preferência de pH das plantas
Convém frissarmos que as plantas na tabela acima toleram solos que podem ser levemente ácidos ou alcalinos, por exemplo: o manacá da serra (Tabouchina mutabilis) ocorre em pH = 4, valores menores do que 3 lhe seriam prejudiciais.
A morte de ramos ocorre em função de doenças e a desnutrição, parte desta última é causada pelo pH inadequado e deixa nutrientes essenciais indisponíveis para absorção pelas raízes.
Crescimento insatisfatório de algumas árvores mesmo sobre solo fertilizado pode ocorrer em virtude de pH inadequado. Um exemplo é o que ocorre com a maioria dos Ligustrinhos (Ligustrum sinensis) e Buchinhos (Buxus sempervirens)  são cultivados em solos ácidos, quando a preferência destes é por  terrra alcalinas.

pH de Árvores Folhosas

Nome científico pH 
Acer campestre Levemente alcalino, neutro e levemente ácido
Acer palmatum (variedades e cultivares) Levemente ácido 
Berberis thunbergii  Neutro e levemente ácido 
Betula humilis Neutro e levemente ácido 
Betula nana  Levemente ácido e ácido
Betula papyrifera Levemente alcalino, neutro, levemente ácido e ácido
B. pubescens Levemente ácido e ácido 
Buxus sempervirens  Neutro, levemente alcalino e alcalino 
Carpinus betulus Todos 
Craetagus crus-galli  Levemente alcalino e alcalino 
C. monogyna  Neutro, levemente alcalino e alcalino 
Elaegnus angustifolia Levemente alcalino e alcalino
Fagus sylvatica  Todos 
Hamamelis japonica  Neutro e levemente ácido
Ilex aquifolium  Neutro e levemente ácido 
I. crenata Neutro e levemente ácido
Jasminum nudiflorum Levemente ácido, neutro, levemente alcalino e alcalino 
Ligustrum vulgare  Neutro, levemente alcalino e alcalino 
Malus spp e cvs. Neutro, levemente alcalino e alcalino 
Prunus avium  Neutro,  levemente alcalino e alcalino 
P. cerasifera  Idem acima 
P. x cistena Idem acima
P. mahaleb Levemente alcalino e alcalino
P. sargentii  Idem acima
P. spinosa  Levemente ácido, neutro, levemente alcalino e alcalino
P. tenella  Neutro, levemente alcalino e alcalino 
Pyracantha coccinea Idem acima 
Pyrus salicifolius Idem 
Quercus cerri Levemente ácido, neutro, levemente alcalino e alcalino 
Q. petrea Ácido, levemente ácido, neutro e levemente alcalino 
Salix alba  Neutro, levemente alcalino e alcalino 
S. caprea  Neutro, levemente ácido e ácido 
S. helvetica  Idem acima
Tamarix parviflora Neutro, levemente alcalino e alcalino 
T. pentandra Idem acima 
Segundo BENHARD THALAKER, 1995.

pH de Coníferas

Nome Científico pH 
Abies balsamea ‘Nana’ Levemente alcalino, neutro, levemente ácido e ácido 
A. concolor Idem anterior 
A. koreana Idem anterior 
A. homolepis  Neutro, levemente ácido e ácido
A. nordmanniana Todos os tipos 
A. pinsapo ‘glauca’  Todos os tipos 
Abies weitchii Neutro, levemente ácido e ácido 
Araucaria araucana  Idem anterior 
Cedrus atlantica  Levemente ácido, neutro, levemente alcalino e alcalino 
C. deodara  Neutro, levemente ácido e ácido 
Chamaecyparis obtusa ‘Nana Gracilis’ Idem acima
Criptomeria japonica Neutro e levemente alcalino 
Juniperus x chinensis ‘Óld Gold’  Todos os tipos 
J. communis ‘Suecica’ Todos os tipos 
J. sabina ‘Mas’ Neutro, levemente alcalino e alcalino 
J. sabina ‘Rocky Gem’ Idem acima 
J. squamata ‘Blue Star’ Idem acima 
J. squamata ‘Meyeri’ Idem acima 
J. virginiana ‘Skyrocket’  Alcalino, levemente alcalino, neutro e levemente ácido 
Larix decidua Idem acima 
L. kaempferi  Idem acima 
Metasequoia glyptostroboides Idem acima 
Picea abies  Todos os tipos 
P. abies ‘Little Gem’  Neutro, levemente alcalino e alcalino 
P. abies ‘Nidiformis’  Neutro e levemente alcalino 
Picea mariana ‘Nana’ Alcalino, levemente alcalino, neutro e levemente ácido 
P. orientalis  Todos os tipos 
P. orientalis ‘Nutans’ Alcalino, levemente alcalino e neutro 
P. pungens Alcalino, levemente alcalino, neutro e levemente ácido 
P. sitchensis  Todos os tipos 
Pinus aristata Alcalino, levemente alcalino, neutro e levemente ácido 
P. cembra ‘Glauca’  Todos os tipos 
P. contorta  Todos os tipos 
P. leucodermis  Levemente alcalino, neutro e levemente ácido 
P. mugo ‘Gnom’ Todos os tipos 
P. mugo ‘Mops’ Todos os tipos 
P. mugo ssp. mugo Todos os tipos 
P. nigra ssp. nigra Alcalino, levemente alcalino e neutro 
P. parviflora ‘Glauca’ Alcalino, levemente alcalino, neutro e levemente ácido 
P. ponderosa  Neutro e levemente alcalino 
P. strobus Neutro e levemente ácido 
P. sylvestris  Todos os tipos 
P. sylvestris ‘Fastigiata’ Todos os tipos 
P. sylvestris ‘Watereri’ Todos os tipos 
Pseudolarix amabilis  Neutro e levemente ácido 
Pseudotsuga menziesii  Todos os tipos 
Seqoiadendron giganteum Todos os tipos 
Taxodium distichum  Neutro, levemente ácido e ácido 
Taxus baccata (cvs e variedades) Alcalino, levemente alcalino, neutro e levemente ácido 
Taxus cuspidata ‘Nana’ Todos os tipos 
Thuja occidentalis (cvs e variedades) Alcalino, levemente alcalino, neutro e levemente ácido 
T. plicata ‘Excelsa’  Idem acima
Thujopsis dobrata  Idem acima 
Tsuga canadensis Neutro, levemente ácido e ácido 
T. mertensiana Levemente ácido e ácido
Segundo BERNHARD THALACKER, 1995.

1.2. Manejo do pH do Solo

 Alguns fertilizantes afetam o pH do solo, tanto pelo efeito direto quanto indireto.  Diretamente os sais podem ter efeito alcalinizante ou acidificante, os sais neutros não têm efeito direto.

1.2.1 Alcalinização do Solo
A adição de calcáreo calcítico (CaCO2), calcáreo dolomítico (CaCO2   +  MgCO2 )  ou dolomita (MgCO2) alcalinizam o solo de forma direta, entretanto, é um processo lento, que leva diversos meses, o que obriga uma preparação muito antecipada do solo.

 A utilização de fertilizantes ricos em nitratos alcalinizam o solo indiretamente, mas de forma lenta, o nitrato de cálcio [Ca(NO3 )2 ] é o mais eficiente, além disso a presença do cálcio alcaliniza diretamente o solo. A alteração do pH pelo nitrato porque após absorvido, este provoca a saída de  uma hidroxila (OH- )  elevando dessa forma o pH próximo da raiz.
Outros fertilizantes como o nitrato de potássio (KNO3) e o nitrato de sódio (NaNO3 ) também elevam gradualmente o pH. Estes fertilizantes necessitam ser adicionados periodicamente às plantas que necessitam de pH neutro ou alcalino

1.2.2. Acidificação do Solo
A grande maioria dos solos brasileiros são ácidos portanto não são necessários maiores manejos. Para mantê-los ácidos usamos nitrato de amônio ou o fertilizante “Peters”, ou “Ultra Verde” raiz. Mas para acidifica-los mais fazemos o uso do sulfato de amônio, ou podemos fazer uso do fertilizante “Miraclo” para acidificar, e as vezes, “Ultra Verde” folhas.

2. O pH ideal
Para a grande maioria das plantas a faixa de pH de 6,0 à 6,5 é a ideal, porque ocorre um ponto de equilíbrio no qual a maioria dos nutrientes permanecem disponíveis às raízes.
No gráfico abaixo são mostradas curvas correspondentes a cada nutriente, a quantidade de cada um varia a cada nível de pH. Quando a quantidade do nutriente abaixa é porque este se precipitou, isto é, ficou insolúvel e as plantas não poderão absorve-lo.
A tabela abaixo mostra a disponibilidade dos nutrientes nas diferentes faixas de pH, O que se constatou da maioria dos experimentos de nutrição é que a faixa de pH 6,5 é a que proporciona a maior taxa crescimento das plantas, por permitir a maior disponibilidade de nutrientes na solução do solo. A maioria das árvores responde bem ao pH 6,5, mesmo aquelas que gostam de pH alcalino ou ácido, talvez esse gosto seja uma tolerância e a maioria cresce melhor no pH 6,5. É claro que existem exceções, e a nestas estão as originarias dos solos ácidos e pobres em fósforo (P) e cálcio (Ca), como as árvores dos cerrados.

Bibliografia:

ESTE TEXTO É PARTE INTEGRANTE DO LIVRO:
“BONSAI – MINIATURIZAÇÃO DE PLANTAS – VOL. II”,
Capítulo Solo do Bonsai, AINDA NÃO PUBLICADO.









Informativo sobre os bonsaístas
reconhecidos no Brasil

Copright 2011 - Atelier do Bonsai - Mário A G Leal
Powered By