19 Anos

online dedicados aos amantes do bonsai no Brasil e no Mundo.
O tempo não faz de você um bonsaísta, é o seu interior que é ou não.
Bonsai

Árvore centenária repousa no tokonoma
Enquanto repouso em ti.
Vou deixando-me ficar
Aprendendo a secular Arte. 
              
Mário A. G. Leal
Blog Pensando Mario A G Leal
     
Você esta aqui: Home > Mário A G Leal > Textos
MINHAS IDÉIAS SOBRE A "ARTE BONSAI"

TEXTOS

  • O Primeiro Estilo
  • A Filosofia do Bonsai
  • Pensando sobre a Arte Bonsai
  • Carta encerramento da Ribeirão Preto Bonsai Kai


Pensando sobre nossas árvores e nós mesmos, imaginei esta estória para que não esqueçamos em nenhum momento que MESTRE é a NATUREZA, e nós seus DISCÍPULOS. 
O PRIMEIRO ESTILO
Mário Alberto Garcia Leal. .
Em uma exposição vários amigos mostravam e passavam um pouco da Arte Bonsai aos atentos visitantes quando, entre estes, aparece um conhecido Bonsaísta que passa a fazer críticas a cada árvore que via. 
- Este "Jin" está mal-feito; a aramação deveria começar aqui; aquele vaso está muito grande para aquela planta...
Continuou implacável até chegar a uma árvore onde sua fúria apareceu por inteiro. 
- Mas o que é isto?! Uma árvore como esta não deveria estar em nenhuma exposição! De quem é?- perguntou.
- É do Sr Terada - respondeu um dos participantes, e enquanto respondia foi em direção ao dono da árvore e o chamou: 
- Sr. Terada, fulano quer vê-lo e certamente ouví-lo. 
Tranquilo o Sr. Terada, 68 anos, levantou-se de onde estava atendendo ao chamado.
- Como?! - pergunta o crítico - como o Senhor tem coragem de trazer uma planta como essa a uma exposição? 
- Não, não tive coragem, - responde calmamente - tive receio.
- Receio, realmente é o que se deve ter ao trazer uma árvore como esta a uma exposição. - atacou mordaz o crítico.
- Não, o Senhor não entendeu, - respondeu - não tive receio de trazê-la, meu receio é que não entendessem o "PRIMEIRO ESTILO". 
- O Senhor vai me perdoar mas, tenho certeza que entre todos os que aqui se encontram, ninguém conhece o "PRIMEIRO ESTILO". - contra ataca vitorioso o crítico. 
- Se assim for, - responde com ar de tristeza o Sr. Terada - precisaremos começar tudo de novo, pois o "PRIMEIRO ESTILO" que é o estilo desta maravilhosa árvore, não sofreu em nenhum instante a minha interferência no seu processo de desenvolvimento; ela é NATURAL, foi colhida como se apresenta e não acredito que ninguém esteja habilitado a criticar a NATUREZA. - e, valorizando a quem de fato não tinha valor, completa - Nem mesmo o Senhor. 
Virou-se e voltou calmamente para seu o lugar.

A FILOSOFIA DO BONSAI
Postura ética


Quando Chi Kuen Ki ( Nome fictício ) resolveu levar seus bonsai para o Japão não estava pensando em levar uma planta e sim uma lembrança de seu País, algo que lembrasse de onde veio, dos parentes, dos amigos, das pessoas... uma recordação. O bonsai estava em segundo plano. Era o caminho, não o destino.
 
Da mesma forma quando olhamos a foto de nosso pai ou mãe que já não estão entre nós e nos lembramos deles; a foto é um caminho. O importante é a lembrança dos momentos com nosso pai ou mãe ou quem quer que permaneça em nossa memória.

Vamos observando que o bonsai existe porque existimos, ou seja, somos mais importantes porque sem nós ele não existiria. Então é necessário, urgente, que enxerguemos esta verdade e saibamos organizar os nossos conceitos.  Não deixarmos que a vaidade nos coloque em situações ridículas por pensarmos que a verdade é nosso patrimônio pessoal. O melhor argumento é o “ sei que nada sei ”. Ao longo dos anos venho observando mestre Hidaka trabalhar. Jamais ouvi em suas palavras, críticas a quem quer que seja; seu tempo é mais precioso. Fala de suas plantas como se estivesse se iniciando na Arte Bonsai (“sei que nada sei “); com ardor, com prazer mas, sem vaidade. Ao falar mostra a profundidade dos seus conhecimentos em anos de estudo. Como ele me disse certa vez: ¨ Mário, no Brasil as pessoas deveriam estudar mais para aprender melhor. Observando mestre Hidaka trabalhar uma planta, vi claramente o que pode ser notado por qualquer pessoa atenta aos detalhes: ele trabalha como se estivesse dentro da árvore. Repararam?! O tronco curvado para frente, quase a altura da árvore; seus olhos fixos e, vez por outra, balbuciando algumas palavras em japonês, vai dando retoques em pequenos pinheiros que ao longo dos anos cultivou. De repente sorri! A alegria, quase infantil, de encontrar um caminho. 

Cada um de nós tem que buscar seu caminho, sua estrada. Esta é a grande dificuldade: um caminho próprio que, neste caso, é como uma propriedade da qual teremos documento, teremos a nossa assinatura de identificação. Nada que o tempo não resolva, ainda que entendamos que encontrar um caminho seja tarefa árdua. Mesmo que jamais o encontremos, façamos desta busca um prazer. Esta busca é que nos traz a maturidade, a compreensão e o entendimento da Arte Bonsai. A busca da perfeição na Arte Bonsai A perfeição é um objetivo de todos nós: queremos e devemos buscá-la. Jamais chegaremos lá mas a persistência em querer alcançá-la vai alargando os nossos horizontes e nos obrigando a crescer, porque dentro da perfeição estão contidos os melhores sentimentos, as melhores virtudes: amizade, tolerância, compreensão, dedicação, amor....

Podemos ver então que no caminho da busca da perfeição é que estão as nossas ferramentas de crescimento. Não deixar que amigos se percam em comentários que não constróem. Mais que isto, tentar sempre ajudá-los a entender e, se não for possível, perdoar. Infelizmente, todos nós temos visto, por diversas ocasiões, o dizque me diz predatório e desnecessário em eventos. É quase lugar comum, o que é lamentável, situações como esta. Precisamos, urgentemente, crescer! Devemos proporcionar aos que iniciam, um ambiente fraterno baseado na Arte Bonsai e, não o que se vê. Podemos adotar o lema: 

¨AQUI FALAMOS DE BONSAI PARA AMIGOS DO BONSAI ¨

Se pretende falar de alguém, seja íntegro, fale com a pessoa e não dela! Assim teremos um ambiente a altura da ARTE BONSAI,  conseguiremos a tranquilidade quanto ao assunto em dúvida. Isto será muito bom pois  poderemos aprender a ouvir e, principalmente, percebermos que o nosso rancor pode ser maior que nossa queixa. Atenção! Valorizar todo e qualquer Evento sobre Bonsai Temos no Brasil, hoje em dia, um começo recente em encontros de bonsaístas: EVENTOS (6 ou 7 anos). Deveríamos, como regra, ajudar a propagar dentro das nossas possibilidades todo e qualquer evento que venha a acontecer onde quer que seja. Feito por quem quer que seja. Onde se apresentem este ou aquele bonsaísta. Será nosso esforço pessoal para o desenvolvimento da Arte Bonsai.

Propagar falando aos amigos; enviando e-mails ou no seu mailing; anotando em sua home page, comercial ou não. Quando falamos em valorizar queremos dizer apoiar, falar sobre o EVENTO como um acontecimento que vai, com certeza, trazer novos amigos interessados na Arte Bonsai. Se você realiza um EVENTO, divulgar todos os outros  pois, sabe da dificuldade que é fazê-lo. Se você não realiza nenhum EVENTO, dentro do espírito de bonsaísta, divulgá-lo ao maior número de amigos. Evite ser egoísta quanto ao EVENTO realizado por qualquer outro bonsaísta, percebe-se o medo, que é oriundo da própria  incompetência ou egocentrismo doente, em não falar deste ou daquele evento a não ser que se esteja participando. Tenho dito com certa constância que ¨ aquele que esconde o que sabe é incompetente no que faz ¨. É dando a ¨ cara ¨ para bater que saberemos se somos ou não capazes; muito mais para nós mesmos do que para os outros. Nada se consegue sem luta, mas lutar não significa pisar em alguém e sim fazer acontecer.

Ajudar as Associações existentes naquilo que for necessário para mantê-las vivas e atuantes, independente de ser um associado. Devemos nos empenhar, sempre que possível ou necessário, em ajudar as Associações existente pois, são elas os pólos centralizadores dos bonsaístas nas diversas regiões do País. Associe-se! Quando tivermos uma quantidade interessante de Associações, fortes e bem estruturadas poderemos pensar grande... em uma FEDERAÇÃO. Associações Os méritos de uma Associação devem ser usados apenas como patrimônio, resultado de esforço e trabalho. Jamais usar qualquer resultado conseguido como, serem associados de alguma entidade Internacional; ter trazido este ou aquele mestre (Nos dois casos é só uma questão de pagamento!), para fazer comparações. Isto não se justifica! Usar com critério os valores agregados é sinal de competência administrativa. É claro que vamos falar destes acontecimentos, nem poderia ser diferente mas, com a alegria de ter conseguido um bom resultado para o trabalho realizado. Deixe que os feitos falem por si e tenha certeza, falarão.

Não devemos provocar o isolamento dos associados dentro da Associação mas ao contrário, mostrar a todos os sócios os caminhos a percorrer permitindo o desenvolvimento pessoal pelo favorecimento coletivo de uma Associação. Atitudes deste porte mostram a segurança dos dirigentes da Associação.  Valorizar ou no mínimo respeitar o trabalho de todo artista O fato de não aprovarmos, dentro da nossa concepção pessoal, o trabalho de um bonsaísta não nos dá o direito de criticá-lo. Às vezes, e isto pode acontecer, não percebemos o nível mais avançado do outro por absoluta falta de compreensão e humildade. Faz alguns anos escrevi um conto ¨ O Primeiro Estilo ¨, onde procurei enfocar a crítica pela crítica como fato negativo além de destrutivo. Poderemos resvalar para o ridículo se não nos cuidarmos. Quando, entretanto, gostarmos de um trabalho cumprimentemos seu idealizador  pois, nossas palavras podem ser, naquele momento, tudo o que êle precisa. Não se furte em proporcionar este momento!  Dar oportunidade a novos talentos No maior EVENTO do Brasil, que acontece na Bonsai Center Romagnole, seria acertada a abertura de espaço para que novos bonsaístas pudessem mostrar seu trabalho. O fato de estar citando este EVENTO é que, neste instante, dentro do Brasil, é o único que comportaria esta atividade sem no entanto atrapalhar outras. Poderia ser um trabalho sob julgamento de bonsaístas escolhidos e que daria ao ganhador resposta ao seu trabalho além de inseri-lo no cenário da Arte Bonsai no Brasil. Esta seria uma maneira de descobrirmos e selecionarmos, entre tantos, novos talentos. É um incentivo que proporcionará a muitos bonsaístas motivo para crescer e se desenvolver. Seriam estabelecidas regras de conduta e de trabalho. As árvores poderiam ser todas da mesma espécie com características semelhantes com escolha por sorteio. Teríamos um máximo de participantes que seriam sorteados no dia do EVENTO entre os candidatos inscritos. Poder-se-ia nominar o prêmio e dar-se um diploma e troféu ao vencedor. Qualquer outro EVENTO pode adotar atitudes semelhantes. Entender que o crescimento do outro pode ser a expectativa do nosso crescimento Às vezes é difícil compreender que o sucesso de qualquer bonsaísta brasileiro, em qualquer dimensão, trará retorno para todos. São as seqüelas de um egocentrismo compulsivo. É sem dúvida um pensamento pequeno e sem sustentação de quem não parou para pensar. Se alguns de nós pudermos ou tivermos a oportunidade de aparecer no cenário mundial estaremos começando a mostrar que no Brasil se faz bonsai. Poderemos começar a despertar olhares para nosso País na possibilidade de mostrar trabalhos outros que não os que já estão sendo vistos lá fora. Temos que pensar que a renovação é necessária em qualquer lugar do mundo e mais, temos que acreditar e mostrar que temos condições de participar. E temos! Portanto é necessária uma comunhão entre todos para que possamos nos momentos necessários vestir a camisa uns dos outros.

É um bonsaísta brasileiro mostrando a Arte Bonsai do BRASIL. É o bonsai brasileiro mostrando o seu valor. 
Observações:

Buscando trazer todos para um mesmo lugar: A ARTE BONSAI e, entendendo que se não comungarmos o mesmo pensamento nos dispersaremos, coloquei estas idéias para apreciação. Não tenho a verdade comigo como ninguém tem mas, estou tentando organizar para o bem comum alguns conceitos. Após alguns anos  falando e pensando sobre uma “Postura Ética” resolvi compartilhá-la.  26.01.2004


PENSANDO SOBRE A ARTE BONSAI

Tenho pensado sobre a Arte Bonsai ao perceber as discussões sobre regras, técnicas e conceitos. O que é certo? O que é errado? Quando saber a diferença? Pela minha lenta evolução nesta Arte Bonsai deveria ser o último a fazer colocações sobre o assunto mas, acredito que estou caminhando desta maneira e, penso que poderei melhorar muito se persistir. As pessoas perdem-se em saber da tecnicidade e não vêem a sua volta o que acontece. Perdem "o momento"! Estão fixadas em regras. Me permiti e não lamento, em momento algum, evoluir desta maneira. Aprendendo um pouco do bonsai e um pouco de mim mesmo e, desta forma, me permití abrir horizontes diferentes dentro desta nossa Arte Bonsai e ver o outro. Perde-se a oportunidade de se ver mais longe de outra maneira. É bom que se tenha em mente que, a rigidez do perfeito jamais superará a maravilha do natural.
Sempre disse aos meus alunos:

- Se a sua árvore agrada aos seus olhos então esta é a sua árvore. Este é o seu bonsai!
Irei continuar dizendo isto. Não posso travar o encantamento das pessoas pela Natureza, exigindo a dureza de regras e conceitos, estaria sendo egoísta. Devemos deixá-las descobrir o que a Natureza oferece, aprender com vagar, assim como a Natureza caminha, lentamente. Usufruir desta troca de fluídos que acontece entre nós e a árvore; claro, quando permitimos.

A evolução de cada um para horizontes mais altos depende do seu interesse em atingir determinado ponto. Não podemos impor isto aos outros. Aí entram as regras. Obedeça então, se este é o seu interesse, aos parâmetros definidos por este seu objetivo: as regras. Mas não se esqueça de se permitir um toque de naturalidade dentro da rigidez das regras. Neste momento você terá mais oportunidade de atingir algum ponto que deseje chegar.

Tenho uma pequena serissa que é, das plantas que tenho, a que mais gosto. Nenhuma crítica vai tirar de mim o encantamento que tenho por esta árvore. Nenhum conceito me fará mudá-la. Nenhum mestre me convencerá que estou errado. Aprendi respeitá-la.

Não estou dizendo com estas palavras que as regras não devem ser seguidas apenas, coloco os "meus conceitos" para que não tiremos a oportunidade de muitas pessoas participarem desta nossa Arte Bonsai. Não devemos ter uma atitude radical pois, todas as atitudes muito "radicais" vistas no mundo acabam mal. Seja conceituando o próprio homem como: este é melhor que aquele, por que é branco; aquele é melhor que o outro, porque fala 5 idiomas; este outro é melhor porque é católico, o outro judeu. É só vermos as notícias. Nada muito radical é bom, nem na Arte Bonsai.

De toda forma, aqueles que buscam evoluir e querem fazer uma Arte Bonsai bastante acadêmica, devem seguir os conceitos definidos para sua satisfação e crescimento interior mas, não devem e não podem criticar àquele que não segue o seu modo de pensar ou tem dificuldade para fazê-lo. Acredito que as pessoas com pensamentos muito radicais tem mais dificuldade de evoluir para o natural ou para a liberdade criativa pois, de certa forma, não se permitem enxergar nada além disto. Em uma comunidade bonsaísta devemos estar todos juntos, cada um caminhando com a Arte Bonsai que lhe agrada. Nunca se esqueçam de que a evolução contraria os radicais mas, mesmo assim, despontam artistas que nada, nem regras nem conceitos, segurarão. É bom que se atente para isto!

Sempre dizemos que nossa árvore tem uma frente, eu mesmo digo isto mas, intimamente, não concordo. Ficarei realmente feliz quando uma árvore puder ser mostrada de qualquer lado porque, aí sim, terei uma árvore: NATURAL. Uma árvore bonsai, como dizem os chineses.

Todos poderão pensar, pelas minhas colocações, que estou sendo radical para o outro lado, da criação livre mas, se observarem um pouco mais verão da minha admiração por aquele que tem em seus trabalhos os princípios das regras aplicadas. Fato: meu convite para o Valdir Hobus, para ser demonstrador em meu Evento, foi feito baseado na minha observação dos seus trabalhos: técnicos. Valorizo, de forma extrema, o bonsaísta que consegue mostrar em seu trabalho as informações técnicas desta Arte Bonsai assim como, valorizo o esforço dos que começam a caminhar. Minha medida de valor, nos dois casos, é a mesma.

Quero deixar a todos a possibilidade de percepção de um trabalho realizado dentro do nível em que, este trabalho, está posicionado. Quando criticamos uma criança, em qualquer trabalho artístico, podemos estar acabando com a possibilidade de um futuro artista. Podemos dizer que com o adulto é diferente. Não sei. A sensibilidade de cada um é diferente para uma mesma situação.
Temos que ter o discernimento para ver um bom trabalho, independentemente da maneira como o conceituamos. Isto se chama isenção de análise.

Faz 17 anos que convivo com a Arte Bonsai sem pressa alguma. Tenho aprendido muito sobre as pessoas em função da Arte Bonsai e agora, estou aprendendo, com as mesmas pessoas, um pouco mais sobre esta Arte.
Isto é bom!
Viva a Arte Bonsai!
ABRIL/2006


Início - 15 de Setembro de 1998

Ribeirão Preto, 15 de Setembro de 2002

Caro amigo, sinto uma ponta de tristeza neste momento; foram alguns anos de trabalho em favor da Arte Bonsai, através da RIBEIRÃO PRETO BONSAI KAI, dos quais muito me envaideço, mas em virtude de tantos fatores se encerra. Sim é verdade, a RIBEIRÃO PRETO BONSAI KAI realizou o que havia para ser realizado dentro do contexto em que ela se inseriu. Se assim não fosse estaríamos a pleno vapor. Passaram por nossa Associação pessoas de todo o Brasil em busca de aprender, conhecer, relacionarem-se com outros bonsaístas. Não posso dizer o motivo principal desta condição, claro que a nossa economia não tem ajudado ninguém como não nos ajudou.   Abaixo, para uma visualização mais consistente alguns números:

063 – Sócios ativos em 16/08/2002
166 – foi o pique de associados.
183 – Associados saíram a pedido ou por outra razão.
260 – Solicitações de adesão não confirmadas. 
xxx – Um número não determinado de pessoas que pediram informações a respeito. Com total segurança algo bem acima de 1000.  

Os números acima são maiores, pois tive perda de informações quando do travamento de meu winchester.  Duas são as formas de ver os números acima: a pessimista e a otimista; vou deixar a pessimista e olhar pelo lado bom. Quantas pessoas não buscaram de alguma forma um contato com a Arte Bonsai! E encontraram! Quantas conheci que valem, somente por elas, a exclusão de todas as outras. Sei que pudemos trazer pessoas de vários lugares para um mesmo lugar: a Arte Bonsai. Descobri quantos amigos foi possível fazer através da RIBEIRÃO PRETO BONSAI KAI

Atravessamos fronteiras quando tivemos a solicitação E ADESÃO para dois associados em, MIAMI-FL – USA. Atravessamos fronteiras, novamente, quando da minha indicação para Diretor da FELAB – Federação Latino-americana de Bonsai. Atravessamos fronteiras quando trouxemos MARITA GURRUCHAGA para o ENCONTRO NACIONAL DO BONSAI, possuidora de um conhecimento técnico profundo desta Arte. Atravessamos fronteiras quando recebemos matérias para nosso INFORMATIVO da Argentina, Peru, Porto Rico e Venezuela, país que acaba de enviar uma extensa matéria sobre estilos de raiz pelo nosso amigo Eusébio Chellini. Atravessamos as nossas fronteiras quando ajudamos amigos a iniciarem as suas próprias Associações como: ASSOCIAÇÃO DE BONSAI DE PERNAMBUCO e ASSOCIAÇÃO BONSAI MATO GROSSO DO SUL – ABONSUL, já efetivadas e em funcionamento. Para outros amigos já passamos informações para a criação de uma Associação.

O contexto de nossa Associação, como já tive oportunidade de falar, é diferente de outras Associações locais e com associados próximos, quase vizinhos; o que não invalida a minha intenção de proporcionar a pessoas deslocadas em nossa imensa geografia a oportunidade de conhecerem e entrosarem-se com outros bonsaístas. Estou feliz porque isto aconteceu diversas vezes!

Quero pedir desculpas aos novos associados que podem até não entender o que está acontecendo, mas aos quais me coloco a disposição para esclarecimentos. Quero agradecer a muitos pela cooperação com matérias e pela crença na Arte Bonsai ao filiarem-se.

No dia, 12 de Setembro de 2002, fizemos nossa última Assembléia Geral onde ficou decidido que no dia 10/12/2002, seria pedida a baixa da Ribeirão Preto Bonsai Kai. Isto nos dará oportunidade de encerrarmos as nossas atividades com a remessa do INFORMATIVO de Novembro/2002. 

Colocados os nossos esclarecimentos vou fazer uma solicitação àqueles que queiram permitir um encerramento adequado as nossas atividades com o pagamento até DEZEMBR/2002; aos que entenderem que não devam faze-lo, por favor, enviem um e-mail, escrevam (Agradeceria muito, ao menos neste momento); aos que quiserem ajudar-nos pediria que fizessem o seu pagamento o quanto antes e nos informassem. 

Na eventual sobra de numerário será(ão) comprada(s) ferramenta(s) para sorteio, entre os associados BRASIL que permaneceram ativos, que poderá ser baseado na Loteria Federal de forma a ser estipulado no momento adequado.

Bem meu amigo, é isto! Quero deixar abaixo meu endereço para sua visita, sua carta, seu e-mail ou seu telefonema. Fechamos a RIBEIRÃO PRETO BONSAI KAI não os nossos sonhos: A ARTE BONSAI.

Mário Alberto Garcia Leal












Informativo sobre os bonsaístas
reconhecidos no Brasil

Copright 2011 - Atelier do Bonsai - Mário A G Leal
Powered By