19 Anos

online dedicados aos amantes do bonsai no Brasil e no Mundo.
O tempo não faz de você um bonsaísta, é o seu interior que é ou não.
Bonsai

Árvore centenária repousa no tokonoma
Enquanto repouso em ti.
Vou deixando-me ficar
Aprendendo a secular Arte. 
              
Mário A. G. Leal
Blog Pensando Mario A G Leal
     
Você esta aqui: Home > Como Fazer > Como Afiar Ferramentas
Como Afiar Ferramentas


por
Alexandre Fernandes
São Paulo-SP
alfamega@ibest.com.br



AFIAÇÃO

Materiais abrasivos para afiação

  • Há infinidades de abrasivos desde aqueles com de diamantes sintéticos até pedras naturais e artificiais. As pedras artificiais combinadas são as de melhor custo/benefício para o iniciante.




Pedra sintética combinada
  • A pedra combinada apresenta faces com diferentes gramaturas (aspereza). Uma mais grossa para desbaste (retirada de material de forma grosseira) e outra mais fina para afinar o gume afinando-o até limites aceitáveis, eu utilizo pedra importada japonesa com gramatura (aspereza) 1000 e 6000, as nacionais tem gramatura bem mais grossa.

Importada
Nacional

Pedras lubrificada a óleo


Pedras lubrificadas a água e outros “modelos”

Lixas d’água

Pode-se usar também lixas d’água (nº 320, 400, 600 e se encontrar nº 1000),  presas em placas de vidro com fitas dupla face(para dar um superfície perfeitamente plana)e proceder a afiação como nas pedras.

Só um exemplo de como montar a placa de vidro


Onde irá fazer suas afiações?
  • A afiação deve ser feita em posição confortável. No método apresentado você precisará trabalhar de pé com a pedra em uma altura confortável e fixada ou pelo menos em uma caixa com fundo antiderrapante, utilizar motoesmeril para a afiação mais precisa não é recomendado sem um líquido refrigerante adequado (água, óleo ou uma mistura dos dois) e um rebolo (pedra apropriada para o esmeril) de gramatura (aspereza) adequada, isso pode destemperar o metal e você perder a ferramenta.
Suportes ou caixas
  • Suportes de alumínio fundido podem ser presos em cantos de pias ou mesas. Podem ser encontrados em lojas que vendem produtos para açougues e restaurantes.
  • Pode também fazer uma caixa mais baixa que a pedra cortando uma destas “tábuas de carne” brancas e colando as peças com cola quente. Cole algo anti derrapante no fundo.
  • A afiação começará pelo lado mais grosso da pedra, portanto sempre que terminar uma afiação lave a pedra (só água).
Líquido refrigerante
  • Não use qualquer tipo de óleo (de cozinha, de motor de carro).
  • Óleo Singer bem fino ou outro bem fino. 
Líquidos são necessários?
  • Os líquidos refrigerantes são necessários, pois removem as partículas metálicas que se soltam na afiação e principalmente esfriam o finíssimo metal do gume evitando que destempere, perca sua dureza original.
Pedras importadas
  • Existem pedras importadas japonesas em que só pode ser usada água para a lubrificação, durante o processo de afiação.
Posicionamento corporal
  • A posição do corpo deve fixar o ângulo de afiação da lâmina. 
  • O movimento de vai e vem do corpo (em pé) e não das mãos é que fará a afiação, dependendo da ferramenta ou lâmina a ser afiada pode-se fazer sentado com movimentos curtos, na superfície da pedra, com os braços bem apoiados.
  • Estas práticas favorecem manter o ângulo.
  • O movimento deve ser sempre a partir do pé da lâmina para a ponta percorrendo toda a extensão da pedra.
  • Movimentos uniformes e cadenciados mantendo o ângulo de afiação.
Está na hora de virar a lâmina?
  • Passe os dedos do lado contrário ao que está afiando até perceber que “levantou” uma fina rebarba ao longo de todo o fio. Esta é a hora de virar a lâmina. No caso de alicates de corte côncavo ou lateral, devido à dificuldade em se utilizar a pedra pelo lado de dentro, deve-se usar uma lixa d’água nº 400 ou 600, levemente até retirar essa pequena rebarba.
  • Movimente os dedos sempre a favor do fio. 


Não trabalhe a seco

  • Secou coloque mais líquido.
Agora do outro lado!
  • Lembre-se, comece sempre no pé da lâmina este hábito evita que ela e a pedra arqueiem (formem depressões arqueadas).
  • Procure, no caso dos alicates côncavo, lateral e tesouras, manter o ângulo interno fazendo apenas uma limpeza da rebarba até esta ser eliminada (isso devido a dificuldade de se passar a pedra, no ângulo certo, pelo lado de dentro dessas lâminas).
Formou a rebarbinha do outro lado?
  • Certifique-se que a rebarba existe ao longo de todo o fio e não apenas em partes dele.
  • Vire novamente (ainda no lado grosso) e recomece só que com menor pressão.


Quando virar a pedra para o lado fino?

  • Vá alternando a afiação na face grossa sempre checando a formação da rebarba.
  • A cada ciclo diminua a pressão sobre a lâmina. A rebarbinha ficará também mais delicada.
  • Vá até o ponto de trabalhar só com o peso da lâmina e não sentir mais a formação da rebarba. Este é o momento de virar a pedra.
Vire a pedra de afiar e fixe-a
  • Aproveite a virada da pedra para limpar o lado que usou (passar sob a torneira).
  • Lubrifique o lado fino com o líquido refrigerante que usa e recomece a afiação nos mesmos ângulos.
Jogue com o corpo e joelhos!
Formou rebarbinha vire a lâmina.
  • Mesmo do lado fino da pedra ocorre a formação da rebarba, agora bem mais baixa e fina.
  • Não deixe faltar líquido, pois agora o gume está mais fino e sensível ao calor!
Vá diminuindo a pressão vertical
Quando parar? 
  • A afiação tem que ter um objetivo, uma meta.
  • Você quer a lâmina para se depilar ou para cortar uma picanha?
  • Se o objetivo é cortar picanha e não a depilação por que levar a afiação até o ponto de “cortar pêlos?” 
Assentamento no couro
  • Em casos extremos como navalhas e afiações finíssimas pode necessitar assentar o fio em uma tira de couro.
  • Neste caso os movimentos são a favor do fio.
Como testar o fio?
  • O correto é testar no material que irá cortar.
  • Normalmente usa-se uma folha de papel. A lâmina deve cortar com facilidade e deslizar suavemente sem o efeito “serra”.
Dicas:
  • Ângulos usuais (entre lâmina e pedra)
  • 15 a 17 graus - bisturis e navalhas. (me parece ser o ângulo mais adequado para nossas ferramentas)
  • 17 a 20 graus - trabalho com carnes/peixes.
  • 20 a 23 graus - canivetes, facas de caça.
  • 23 a 25 graus - facas para serviços pesados.
  • 25 a 30 graus - facões, cutelos, machados.
Mais dicas:
  • Existem lâminas, em especial de inox ordinário que só se consegue alguma afiação com ângulos mais abertos.
  • Existem lâminas, em especial algumas semi-artesanais que são feitas com aços exageradamente duros e só conseguirá afiar com pedras diamantadas ou com lixadeiras.
  • A prática melhora o desempenho!
  • Não tenha receio de experimentar novas posições!
  • Mas faça com segurança!


PARA OS MAIS INTERESSADOS: 

Temperando a pedra de afiar (pedras CARBURUNDUM)

  • A pedra de afiar é porosa e absorve os líquidos refrigerantes. Para fechar os poros usaremos vaselina sólida e uma vasilha para derreter em banho-maria. Fôrmas de assar pães são ótimas para a tarefa.


Derretendo em banho-maria
  • Não aqueça diretamente sob risco de graves acidentes.
Coloque a vasilha com a pedra e a vaselina em uma outra com água. Algumas gotas de vinagre na água impedirão que a assadeira manche.

Temperando ...

  • Aguarde a vaselina se liquefazer totalmente e observe que a pedra soltará bolhas de ar que estão dando lugar à vaselina que penetra nos poros e os preenche.
  • Enquanto saírem bolhas significa que está ocorrendo penetração da vaselina. A têmpera termina quando parar de sair ar da pedra de afiar. Vire-a uma vez durante o processo.
Retire a pedra escorra e deixe esfriar. Está pronta!

ATENÇÃO: é melhor não deixar a ferramenta perder totalmente o fio (corte) antes de afiá-la novamente, pois isso evita a necessidade de se retirar muito material para conseguir novamente o corte desejado.

Parte do que está aqui vem de experiência própria, livros de ferramentaria, cutelaria, sites sobre bonsai que “explicam” como afiar as ferramentas, a base desta matéria vem de uma apostila de afiação (Marcos Cabete) que usei como guia, enfim ao praticar a arte Bonsai uma das minhas primeiras preocupações foi relembrar (trabalhei como ferramenteiro) as técnicas apropriadas sobre afiação, para manter minhas ferramentas sempre em boas condições. 









Informativo sobre os bonsaístas
reconhecidos no Brasil

Copright 2011 - Atelier do Bonsai - Mário A G Leal
Powered By