19 Anos

online dedicados aos amantes do bonsai no Brasil e no Mundo.
O tempo não faz de você um bonsaísta, é o seu interior que é ou não.
Bonsai

Árvore centenária repousa no tokonoma
Enquanto repouso em ti.
Vou deixando-me ficar
Aprendendo a secular Arte. 
              
Mário A. G. Leal
Blog Pensando Mario A G Leal
     
Você esta aqui: Home > Variedades > A Mulher e o Bonsai > Eloa C Levandowsky
ELOÁ C LEVANDOWSKY

Quando as malas de Eloá Levandowski passaram na alfândega brasileira sem que nenhum fiscal pedisse para abrí-las, ela respirou aliviada. Era o início dos anos 80 e Eloá voltava pra casa com o marido e filhos depois de passar dois anos em Itaka, cidadezinha perto de Nova York. Na malas, cuidadosamente acomodados, estavam os novos membros da família.

"Meu primeiro contato com bonsai foi em um curso extracurricular na Universidade de Cornell, onde meu marido era mestrando." Estou com Eloá em seu jardim, no meio de centenas de bonsais de diferentes tamanhos e formas. Enquanto me mostra uma macieira com maçãzinhas aqui, um pinheiro italiano com mais de cinquenta anos ali, ela conta como se tornou uma das primeiras bonsaístas da cidade e uma das maiores precursoras desta arte. Pergunto se entre tantos belos exemplares, existe um preferido. Ela sorri. "Esse Fícus de 27 anos", diz apontando para a miniatura de uma figueira. A preferência logo se explica: a pequena árvore é uma daquelas imigrantes ilegais.
Há trinta anos, ninguém ouvia falar em bonsai por aqui. Essas mini-árvores, pacientemente moldadas, podiam ser encontradas com mais facilidade nas enciclopédias do que nos jardins. Os bonsaístas eram artistas solitários e autodidatas que dividiam um mesmo sentimento: a vontade de trocar experiências e de compartilhar uma paixão comum. Em meados da década de 90, dez bonsaísta (entre eles Eloá) começaram a se reunir, mensalmente, em Porto Alegre. E os dez foram se multiplicando, começaram a realizar cursos e, quando viram, tinham fincado as raízes do bonsai na cidade. Hoje, a Associação Bonsai Sul, fundada em 1997, tem 125 sócios ativos que se reúnem quinzenalmente para, entre outras coisas, fazer os procedimentos adequados para cada época do ano. Matéria extraída da revista ESTILO ZAFFARI - Ano 6 - Número 30 - Escrita por Paula Taitelbaum * Será retirada a qualquer momento em que a Editora se sentir lesada pelo fato.

De 1996 a 2006, Eloá ministrou regularmente cursos de Bonsai em níveis básico e avançado, no Instituto de Cultura Japonesa da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, em Porto Alegre. Foram mais de 400 alunos dos quais, segundo Eloá, 70% tinham apenas curiosidade em conhecer o assunto mas 30% passaram realmente a cultivar bonsai.
Seu viveiro
Seu viveiro

Não podia deixar de acrescentar, como associado da Bonsai Sul que sou, de informar que, em 21 de Dezembro de 2002, Eloá foi agraciada com o título de SÓCIA BENEMÉRITA pela dedicação, contribuição e ensinamentos transmitidos aos associados.









Informativo sobre os bonsaístas
reconhecidos no Brasil

Copright 2011 - Atelier do Bonsai - Mário A G Leal
Powered By