19 Anos

online dedicados aos amantes do bonsai no Brasil e no Mundo.
O tempo não faz de você um bonsaísta, é o seu interior que é ou não.
Bonsai

Árvore centenária repousa no tokonoma
Enquanto repouso em ti.
Vou deixando-me ficar
Aprendendo a secular Arte. 
              
Mário A. G. Leal
Blog Pensando Mario A G Leal
     
Você esta aqui: Home > O Bonsai 2 > Enxertia
Enxertia

Geraldo Inocêncio
bonsaimorrinhos@bol.com.br





A ENXERTIA (CLONAGEM )

A enxertia é um processo de reprodução de planta  eficaz e muito interessante.
Para definir em uma palavra moderna e bem em voga, a enxertiana realidade
nada mais é do que uma clonagem vegetal. As células que se reproduzirem a
partir do enxerto trarão as características exatas da planta mãe de onde foi
retirado o garfo ou a borbulha. Nota-se então que se você quiser reproduzir uma
planta de ótima qualidade seja ela frutífera ou florífera, o caminho correto é a
enxertia.  Existem plantas que só são reproduzidas por este processo.  A
experiência mostra que as plantas enxertadas ficam de porte menor, mais
atarracadas e produzem frutos melhores e em maior quantidade e o que é melhor,
em muito menos tempo. Existem plantas que quando conduzidas como bonsai,
dificilmente frutificam se não forem enxertadas. A acerola é um exemplo.

Existem vários processos de enxertia, clique e estude cada um:

  • Garrafagem
  • Borbulhia
  • Encostia

GARFAGEM

O princípio básico da enxertia por garfagem é fazer com que o câmbio do cavalo (planta que vai servir de base) e o câmbio do garfo fiquem emcontacto (o câmbio é uma camada vegetal que fica abaixo da casca propriamente dita).  O segredo é conseguir um garfo de diametro igual ao do cavalo. Se você conseguir isto as chances de seu enxerto dar certo são bem maiores. Se o seu garfo tem diametro diferente do  cavalo, alinhe um dos lados e esqueça o outro. Neste caso suas chances já perdem 50%.
Escolhida a planta base lembre que só se enxertam plantas da mesma família botânica, por exemplo: os cítricus (laranjas etc.)

a)  O garfo (a parte que vai ser enxertada) deve ser escolhido com cuidado, nem muito novo e nem muito velho. Consistência média.
b) Após coletado o garfo. 
c)  Faz-se uma incisão em formado de cunha.
d)  Toma-se o cavalo
e)   Secciona-se  o cavalo como mostra a foto 6. Evite cortá-lo muito alto.      Obs:O diametro ideal para um enxerto de garfagem é o de uma caneta bic. Com a prática a gente consegue enxertar mudas bem fininhas, todavia as grossas  só serão possíveis de diverem o lenho mole para o corte.
f)  Corta–se o cavalo como mostra a figura. Utilize ferramenta bem afiada e limpa de impurezas.
g)   Introduza o garfo no cavalo, como a foto ao lado.
h)  Após introduzido alinhe bem as laterais. A extremidade do corte fica um pouquinho para fora do topo do cavalo. Amarre com gominhas ou com fitilho plástico. Obs:  os fitilhos devem ser cortados de preferência de sacolas de melhor qualidade, pois o plástico deve ser fino e resistente. Uma boa maneira de se cortar o fitilho é abrir a sacola e grampeá-la em uma madeira, aí usá-se uma régua (de preferência metálica) e um estilete. A largura ideal do fitilho é de 0,8 cm.
i)   Impermeabilize a área enxertada com pasta cicatrizante.  (foto 9) Neste caso foi usado o mástique, uma pasta cicatrizante cuja fórmula está descrita no fórum na seção de matérias.
j)  Amarre um saquinho plástico molhado cobrindo a área enxertada. . Isto é para que o garfo não se desidrate. Basta molhar o saquinho.  Coloque o seu enxerto na sombra. Se você dispõe de estufa, não é necessário cobrir o enxerto com saquinho plástico.

Agora é dar tempo ao tempo. Acompanhe o desenvolvimento do enxerto. Se começar a soltar brotos do garfo é sinal que o enxerto está pegando. O tempo de brotação varia de planta para planta. Mas o enxerto que não vai pegar logo o garfo começa a secar  e morre. Você pode aproveitar o cavalo para novos enxertos, é só deixá-lo brotar. Quanto os brotos começarem a surgir, retire o saquinho plástico, cortando-o aos poucos, um pedacinho por dia, para a planta aclimatizar com o ambiente. É comum surgirem brotos do cavalo. Estes devem ser retirados. Com o tempo, o cavalo não brota mais e o garfo ou clone assume a primazia no crescimento da planta. Quanto você perceber que o enxerto já está bem pego  (é só observar o amarrilho de goma ou fitilho) quando estiver “enforcando”  o cavalo. Obs: recomendo o amarrilho com fitilho, pois não necessita de impermeabilização do enxerto. Os círculos do fitilho devem is se sobrepondo aos poucos até cobrir toda a área enxertada. Comece abaixo do corte e termine acima da parte enxertada.  O acabamento do amarrilho é simples, basta passar a ponta do fitilho dentro da volta e puxar para apertar, daí corta-se o fitilho.

Enxertia de nectarina em pêssego de nossa região. Enxerto já crescendo.

Existem muitos outros métodos de enxertia, mas conhecendo estes três métodos citados, você poderá enxertar praticamente todo tipo de plantas que tiver interesse.  Numa chácara que vendí,  deixei quase um alqueire de quintal totalmente plantado. Algumas plantas muito curiosas, por exemplo: Uma mangueira que dava três qualidades de mangas. Cada galho dava uma qualidade. Isto se consegue facilmente com enxertia. Depois é só conduzir o crescimento da planta. <br />
Espero que os textos desta matéria sirvam para clarear o entendimento da enxertia.  <br />
É uma coisa fascinante e vale a pena experimentar.
Nota: Você vai apanhar muito  até começar a fazer os seus enxertos pegarem. Não desista. É só praticar e logo você estará um expert no assunto.




Enxertia

Colin Lewis
Inglaterra

http://www.bonsaiforum.com/Home.html


Enxertia por furos

Um método praticamente infalível de se adicionar novos galhos e raízes.
Este é o único método de enxertia que eu recomendaria aos amadores, simplesmente porque foi único que eu sempre utilizei com sucesso.
De fato a enxertia por furos é, quase sempre, sucesso garantido.... no tempo certo.
Enxertia por furos é ideal para criar galhos ou raízes no local exato em que são necessários para aperfeiçoar o estilo.
A técnica em si, não poderia ser mais simples.

Enxertando galhos

O enxerto pode ser feito a qualquer momento, entre o início da primavera e meados do verão, e levará de 1 a 3 anos para “pegar”, dependendo do vigor da árvore.

  • Primeiro voce deve permitir que várias brotações cresçam livremente, até se tornarem longas o suficiente para serem flexionadas em torno da árvore e cruzarem o tronco no ponto em que os novos galhos são desejados.
  • Em seguida, faça um furo atravessando o tronco no ponto em que o galho será enxertado. Comece o furo pelo lado em que o galho vai crescer (isto garante bordas mais limpas neste ponto do tronco)
  • Escolha o galho adequado e corte cuidadosamente todas as folhas do galho. Não as arranque, pois poderá danificar as gemas que brotarão.
  • Flexione o galho e introduza-o no furo até onde for possível, sem quebrar ou arrancar as gemas.
  • Use fita ou arame para fixar o galho no local, sele as bordas dos furos com pasta cicatrizante e aguarde.
  • Quando o novo galho se tornar bem mais grosso no furo de saída do que no furo de entrada, é sinal que o enxerto “pegou”.
  • Aguarde mais um ano antes de cortar o galho no local de entrada – apenas por precaução.

Faça o furo...
...insira o galho... ...tantos quanto voce necessitar...!

Isto é tudo! Quando o galho começar a engrossar e o local do furo começar a cicatrizar, o galho e a casca do tronco serão pressionados um contra o outro, provocando a enxertia naturalmente.
Não é necessário tirar a casca do galho a ser inserido, ou qualquer outro artifício – apenas deixe a natureza fazer seu trabalho.
Seja muito cuidadoso se for aramar galhos recém enxertados, pois eles estão fixados ainda delicadamente por apenas um local e poderiam ser arrancados facilmente. Com o passar do tempo eles se tornarão bem mais robustos.

Após um ano – vários novos galhos nos locais exatos que voce escolheu.










Enxertando raízes

O princípio do enxerto de raízes por furos é exatamente o mesmo dos galhos, exceto que, após "pego" o enxerto, a parte que sai do furo será eliminada e a parte "mãe" será mantida.
O melhor momento para este enxerto é o início da primavera, antes que a nova brotação se abra. Com cuidado, poderá ser feita a qualquer momento entre início da primavera e início do verão.

  • Encontre uma muda saudável da mesma espécie ou muito similar a árvore principal. A grossura da base desta muda deve ser semelhante as raízes do nebari da planta principal.
  • Faça um furo em ângulo inclinado no local em que voce deseja uma nova raiz.
  • Escave o solo junto ao local desejado, para acomodar as raízes da muda.
  • Pode todas as folhas e galhos laterais da muda e introduza-a no furo, encaixando-a o melhor possível.
  • Acomode delicadamente as raízes da muda no local escavado e complete com substrato. Regue corretamente e mantenha o conjunto em meia sombra por algumas semanas.
  • Reforce a adubação da planta para estimular o rápido engrossamento da enxertia e cicatrização das bordas.
Sempre aguarde um ano além do que voce julga necessário antes de podar a parte de crescimento superior da muda, mantendo a base do tronco e raízes.


1992 - Furo pronto para inserção de muda com 3 anos de idade.

1996 - nova raíz no lado direito do tronco

Texto autorizado por Colin Lewis e traduzido por Charles White


BORBULHIA

A enxertia por borbulhia é outro método muito eficaz de se propagar plantas , principalmente aquelas que não respondem bem pelo método de garfagem ou encostia. Vamos exemplificar o método em um cítrico por se tratar de uma família grande de plantas, o que permite uma grande variedade de enxertos entre si. Normalmente, se usa um cavalo rústico e resistente. No presente caso, usaremos um cavalo de limão bravo (limão china), variedade muito rústica.

a) Primeiro escolha qual a variedade de cítrico que você quer nxertar. No presente caso, vamos escolher uma laranjeira de cipó, variedade difícil de conseguir, planta muito interessante para bonsai, pois os seus galhos tendem sempre a crescer voltados para baixo, o que facilita a sua educação como bonsai. Além disso possui uma frutificação exuberante. 
b)      Escolha a gema de um galho nem muito novo e nem muito velho. Procure galhos mais redondinhos, pois a borbulha tende a ser bem melhor do que os angulosos.
c)      Escolhido o galho, faz-se o “decote”, que consiste em escolher uma gema podando a folha pelo pecíolo. 
d)      Aguarde um período no qual a gema vai “inchar para brotar. Normalmente isto ocorre em poucos dias. Não espere a gema eclodir a brotação.
e)   Retire a gema com um corte em paralelo, com mais ou menos 2 mm de profundidade.  Se você quiser pode tirar o lenho da gema, ou então colocá-la   da  maneira que você a cortou.  Evite deixar que a gema receba impurezas e  utilize no corte um estilete ou canivete bem afiado e limpo.
f)      De posse do cavalo,  faz-se um corte em T  (tê) “ de cabeça para baixo” .
g) Com a ponta do canivete ou com uma chavinha de fenda bem pequena, abra a casca do corte em T invertido e insira a gema . Procure inserí-la de cabeça para cima até ficar bem firme. A gema deve ficar acima do pecíolo. 
Obs: Se o galho do cavalo for  muito velho, a casca não se solta e você não consegue fazer a enxertia. Neste caso, pode o cavalo e deixe surgir um novo broto . Quando o broto  estiver bom você faz a enxertia.
h) Apare o excesso em baixo, alinhando com a cabeça do tê invertido. 
i) Amarre com fitilho plástico,  começando em baixo deixando o “olho” da borbulha de fora do fitilho e terminando  com a ponta do fitilho  dentro da volta. Procure fazer os amarrilhos com capricho e bem apertadinho.
j)      Seccione o cavalo logo acima do enxerto  e cubra a parte enxertada com um saquinho plástico umedecido. Isto é para evitar a desidratação da borbulha.

Agora é aguardar. No enxerto pego, o broto vai sair do olho da borbulha e aos poucos vai crescendo, se ramificando e assumindo a primazia no crescimento da muda. Retire todos os brotos que não forem da borbulha.  Após o início da brotação da borbulha, vá retirando pedacinhos do saquinho a cada dia para os brotinhos se aclimatarem. O enxerto não pego você logo vê pelo secamento da borbulha. Normalmente se enxertam cítricos e roseiras por este método. 

k) Gema de pessegueiro no detalhe.

ENCOSTIA

Quando as plantas não respondem bem ao enxerto por garfagem e à borbulhia, você pode tentar este método. Vamos exemplificar este método escolhendo dois hibiscus de cores diferentes, para conseguirmos uma planta que produza duas cores de flores. Pode-se fazer também com primaveras para obter uma planta com cores variadas de flores.

a) Toma-se duas mudas de hibiscus, sendo uma vermelha e outra laranja. Procure escolher mudas com diâmetros compatíveis.

b) Faça um corte lateral em paralelo em cada uma delas.
c)  Ajuste os cortes um com o outro e amarre com fitilho plástico.

d) Plante as duas mudinhas juntas num mesmo vaso.
e) Quando o amarrilho começar a enforcar o tronquinho das plantas, retire o amarrilho e faça um outro mais frouxo.  Quando o segundo amarrilho enforcar o tronco retire o fitilho e observe se os troncos já estão soldados.
f) Escolha a variedade mais forte das duas plantas e comece a cortar a outra abaixo da encostia. Vá fazendo os cortes aos poucos a cada dia, para fazer o desmame.
g) Após seccionado, retire do vaso o toco da muda cortada e impermeabilize a área  com pasta cicatrizante.

Agora é aguardar o crescimento. Como normalmente uma das plantas é mais vigorosa do que a outra, vá equilibrando o crescimento das duas com podas de correção.  Em breve você terá uma planta interessantíssima, que vai causar muita admiração. 













Informativo sobre os bonsaístas
reconhecidos no Brasil

Copright 2011 - Atelier do Bonsai - Mário A G Leal
Powered By